Jump to content


Kim

Membro
  • Posts

    9,220
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1
  • Pontos

    3,317 [ Donate ]

Kim last won the day on December 15 2018

Kim had the most liked content!

2 Followers

About Kim

  • Birthday 02/09/2000

Profile Information

  • Localização
    SC

Recent Profile Visitors

3,416 profile views

Kim's Achievements

Rookie

Rookie (2/14)

  • Reacting Well
  • Conversation Starter
  • Dedicated
  • Week One Done
  • One Month Later

Recent Badges

3k

Reputation

  1. O ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB), não faz segredo a correligionários de sua sigla. Seu sonho é ser vice de Lula em uma eventual chapa PT-PSB, em 2022. Quem não vai gostar nada dessa história é a possível nova dupla da política. O ex-governador Geraldo Alckmin e o ex-prefeito Gilberto Kassab contam com Márcio França para ser o vice ou até mesmo cabeça de chapa na disputa pelo governo do Estado de São Paulo. Isolado no PSDB, Alckmin avalia aceitar o convite de Kassab para concorrer ao pleito pelo seu partido, o PSD. O trio tem se encontrado regularmente para discutir composições de 2022. Na semana passada, jantaram com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que vai sair do MDB e deseja concorrer ao Senado. https://blogs.oglobo.globo.com/bela-megale/post/amp/o-ex-governador-que-sonha-em-ser-vice-de-lula-em-2022.html
  2. Pensei que as novas regras iam levar só os partidos pequenos a extinção
  3. Nunca antes na história deste país alguém adotou discurso de derrotado com tanta antecedência
  4. Caro presidente Lula, As pesquisas o colocam em vantagem sobre o Bozo nas eleições de 2022. Não é de estranhar. Em 2018, seu candidato, Fernando Haddad, quase chegou lá. Da cadeia, seu apoio se transformou numa exuberante transferência de votos. Naquele ano, dois fatos insólitos interferiram na eleição. Primeiro, sua prisão. Depois, o fraquejado atentado do doente mental Adélio. São nossas limitações. Como se sabe, o brasileiro não viu a anunciada profissionalização das Forças Armadas e nunca produziu tomates de qualidade. Longe de nós, ainda, a competência dos americanos em eliminar seus candidatos ou presidentes. Parece que nossa régua de produtividade é o índice Pazuello de eficiência. Chegou, portanto, seu momento na História. De se colocar na galeria dos heróis, em igual patamar de Tom Jobim, Guimarães Rosa e Pelé. Faça um gesto e candidate-se a vice-presidente nas próximas eleições. Surpreenda como Pelé o adversário com um drible seco e inesperado. Deixe o zagueiro de quatro e o goleiro sem chance. O Brasil precisa de sua experiência, faro e habilidade para moldar um novo futuro. Se insistir em ser cabeça de chapa, o futuro será mais do mesmo. Estamos dentro de uma inércia do atraso. Há uma diáspora em andamento, com bons brasileiros pulando fora porque, ao contrário da minha geração, não acreditam que o Brasil seja o país do futuro. No caso, o futuro passou, e hoje somos um monte de gente dando adeus. Empresas importantes também deixam a pátria amada. Ford, Mercedes, Citibank, HSBC… Audi, LG e Sony reduziram suas fábricas. Temos menos 8% de empresas ativas, uma destruição de 7,9% de ocupações assalariadas apenas em quatro anos. Na contracorrente, aumenta o número de templos e pastores com o desejo explícito de transformar o país numa República de Dízimos. Quanto mais pobreza e atraso, mais reza. O Talibã já é aqui. Mire-se no passado para apoiar sua decisão. Em 1966, Carlos Lacerda, arrependido por ter apoiado o golpe militar, buscou construir a Frente Ampla. Uniu-se a dois de seus mais renhidos adversários — os ex-presidentes João Goulart e Juscelino Kubitschek —para exigir eleições diretas. Queria, portanto, derrubar a ditadura. Os três se odiavam; no entanto guardaram as mágoas em nome da reconquista da liberdade, de dar ao pobre país de Noel Rosa um futuro de glória, não o verde-oliva (este, como agora, que nega leitos de UTI em hospitais militares aos civis contaminados com Covid-19). Ao final, o trio terminou cassado, exilado, e morreram sem direitos políticos. Perdemos todos. Ao menos, eles tentaram. Depois de comandar o movimento das Diretas Já, em 1984, o grande Ulysses Guimarães abriu mão de sua candidatura a presidente. Cedeu lugar a Tancredo Neves, que, no Colégio Eleitoral, derrotou Paulo Maluf e liquidou 21 anos de ditadura militar. Viva Ulysses! — e a humildade do herói destemido. Por certo, muito da atual polarização se deve a algumas das campanhas do PT — não se deve esquecer a canalhice com Marina Silva — e ainda a sua visão calamitosa de mundo. Ao seu conceito de “nós” contra “eles”. À tal “herança maldita” de FH. Também a sua escolha em demonizar o PSDB para se unir ao Centrão (hoje engordado por Augusto Heleno e Braga Netto). Que erro, né? Seu gesto em ser candidato a vice acalmaria a cacofonia iniciada em seu primeiro mandato. Resultaria num novo plano de voo no momento em que a economia brasileira se torna cada vez mais extrativista, enquanto o mundo desenvolvido mergulha em modos de produção digital e cria oportunidades dentro da transição climática. Assim como sua ocupação de torneiro mecânico evaporou, outras profissões serão destroçadas. A continuar assim, será um rebanho a correr para as mãos do Malafaia. De outro lado, João Doria e Eduardo Leite, jovens ainda, deveriam abrir mão de suas pretensões. Eles também clivam o ambiente. Seriam ótimos ministros. Pense no Brasil, não no PT. Una-se ao Tasso Jereissati, presidente. E diga à nação: os militares não pediram perdão às famílias por seus crimes na ditadura, ok, mas seu gesto em ser vice-presidente é aceno à definitiva concórdia e aposta em que o Brasil não morrerá na praia. https://blogs.oglobo.globo.com/opiniao/post/amp/lula-para-vice.html?__twitter_impression=true
  5. Vejam o canal Never too small no YT. 30m² já tá bom pra uma pessoa sozinha Único problema é o preço não acompanhar a redução de espaço
  6. Pela proposta que será analisada pela Câmara, as publicidades serão custeadas com aumento dos recursos repassados ao Fundo Partidário Ontem, tarde da noite, os senadores aprovaram a retomada das propagandas partidárias em rádio e televisão, aprovando um substitutivo apresentado por dois senadores do PL de Valdemar Costa Neto: Jorginho Melo (SC) e Wellington Fagundes (MT). O texto será analisado na Câmara. O texto original da proposta previa a volta da propaganda partidária gratuita, tal qual existia até 2018. Mas o relator, senador Carlos Portinho (SC), também do PL, apresentou a sugestão de estipular pagamento pela divulgação partidária, custeada com aumento dos recursos repassados pela União ao Fundo Partidário. O senador Izalci Lucas, líder do PSDB, reagiu: “Quando se acabou com o apoio empresarial às campanhas eleitorais, pediu-se o recurso público, pediu-se a verba eleitoral, o fundo eleitoral em troca da propaganda na televisão. E, agora, por menor que seja o espaço a ser ocupado, volta-se a querer a propaganda eleitoral na mídia, mas sem abrir mão do fundo eleitoral. Então, quer-se tudo. Isso é abusar do contribuinte.” Na mesma sessão, os senadores também aprovaram uma Proposta de Emenda à Constituição para estabelecer em 30%, no mínimo, o montante do fundo de financiamento de campanha e da parcela do fundo partidário destinada a campanhas eleitorais femininas. O autor do texto original é o senador Carlos Fávaro (PSD). O relator foi Nelsinho Trad (PSD). Também passou um projeto que determina uma porcentagem mínima para mulheres de cadeiras na Câmara, nas assembleias legislativas, na Câmara Legislativa e nas câmaras de vereadores. https://www.oantagonista.com/brasil/senado-autoriza-volta-da-propaganda-partidaria-na-tv-com-nosso-dinheiro/?utm_source=oa-site&utm_medium=push&utm_campaign=senado-autoriza-volta-da-propaganda-partidaria-na-tv-com-nosso-dinheiro
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.