Jump to content


Astor

Membro
  • Content Count

    1,400
  • Joined

  • Last visited

  • Pontos

    382 [ Donate ]

Community Reputation

363 Bom

1 Follower

About Astor

  • Rank
    Novato
  • Birthday 01/01/1989

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Ela tem todo direito de se manifestar, mas se esqueceu de que agora tem um "amigo" da mesma emissora que passou pelo mesmo problema do Bocardi e ainda é bastante lembrando, basta ver na própria publicação. Então eu vejo como desnecessário, porque não deixa de ser um climão até mesmo em relação à própria CNN e as regras corporativas referentes á publicações em rede social. Apesar do teor é questão de respeito para com o próximo que trabalha na mesma empresa, independente da relação entre ambos. Minha opinião. Agora acharia um absurdo ter que existir nas empresas um treinamento específico de antirracismo, coisa que se deve aprender de berço o respeito ao próximo, independente de raça, religião e classe social.
  2. "Jornal da CNN" é o título escolhido para o telejornal que William Waack irá apresentar na CNN Brasil. Exibição no horário nobre e promessa de forte presença na cobertura política, econômica e internacional.  Identidade visual do jornal de William Waack Imagem: Divulgação  Waack, ex-Globo, foi uma das primeiras contratações da CNN, que aposta na sua "credibilidade e capacidade analítica" para a faixa noturna. A identidade visual do telejornal também está definida. Ainda hoje, a CNN Brasil também deverá oficializar a chegada do jornalista Fábio Portela, para a superintendência de relações institucionais. A estreia da CNN está anunciada para o início de março. No dia 9 do mesmo mês, será realizado um evento de lançamento no Auditório do Ibirapuera, com presenças de autoridades, anunciantes e jornalistas. William Waack integra um time de profissionais que reúne ainda Reinaldo Gottino, Evaristo Costa, Phelipe Siani, Mari Palma, Monalisa Perrone, entre outros. *Colaborou José Carlos Nery
  3. Dá vontade né Record? Credibilidade e qualidade que o dízimo não compra!
  4. Tem edição online pra conferir, migo? Queria :(
  5. 35% ele entra com a expertise na área Estilo o que o Boni seria numa época em que Silvio o queria no SBT e acabou dando em nada. Não entendo muito desses assuntos, mas torço muito pela CNN, precisamos de uma empresa séria e comoetente e que ela se mostre mesmo ser esse diferencial. https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/televisao/em-2001-boni-quase-virou-socio-do-sbt-mas-silvio-santos-rasgou-o-contrato-26721
  6. A CNN Brasil constituiu um conselho editorial composto por sete jornalistas, entre eles a norte-americana Shasta Darlington, ex-correspondente da CNN Internacional no Rio de Janeiro. O conselho terá a missão de blindar o novo canal de notícias de interferências do principal acionista da empresa que o controla, a Novus. A CNN Brasil será lançada oficialmente em 9 de março, em evento no Ibirapuera, em São Paulo. O conselho será presidido por Douglas Tavolaro, CEO (o equivalente a presidente) da CNN Brasil, e pelos principais executivos da área editorial do canal: Leandro Cipoloni (vice-presidente de Jornalismo), Américo Martins (vice de Conteúdo) e Virgilio Abranches (vice de Programação e Multiplataforma). Duas das oito vagas serão ocupadas pelos cinco diretores de Jornalismo do canal, em rodízio. O diretor Jurídico, Marco Aurélio Cordeiro, completa o grupo. Advogado especializado em comunicações, Cordeiro é o único não-jornalista.  A principal missão do conselho será preservar a "a irrestrita independência editorial" do canal, uma exigência da CNN Internacional para licenciar a marca. A CNN Brasil não pertence aos mesmos donos da CNN americana, a WarnerMedia/AT&T. O canal é um investimento do empresário Rubens Menin, dono da construtora MRV, uma das maiores do país, e de Douglas Tavolaro. Menin tem 64% das cotas da Novus, e Tavolaro, 35% --o diretor financeiro da MRV ficou com 1% do capital. Aprovado em assembleia de acionistas, o conselho dá a Tavolaro o controle de todo o conteúdo da CNN brasileira. Assim, em tese o canal terá independência para veicular eventuais notícias contrárias aos interesses da MRV, alvo de denúncias da Record em setembro passado. Também em tese, o dono da construtora, Rubens Menin, não poderá usar a CNN Brasil para defender interesses do governo federal, com quem tem negócios --a MRV é a maior empreiteira do programa Minha Casa Minha Vida. Consultora-executiva da CNN Internacional, Shasta Darlington será o "olho" da matriz americana na franquia brasileira. A criação do conselho editorial segue diretrizes do grupo norte-americano. Em 2016, quando anunciou a compra da então Time Warner, controladora da CNN, a gigante das telecomunicações AT&T tornou pública uma declaração de independência editorial da rede de notícias. Estreia em março Anunciada em janeiro do ano passado, a CNN Brasil deveria entrar no ar no último trimestre de 2019, mas o atraso na importação de equipamentos adiou a estreia para março. O canal já está em operação em um prédio na avenida Paulista, em São Paulo, e deverá empregar um total de 400 jornalistas. Será distribuído pelas principais operadoras de TV paga e em plataformas online. Entre as principais contratações do canal, estão Monalisa Perrone, Reinaldo Gottino, Evaristo Costa, William Waack e Cris Dias. https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/daniel-castro/cnn-brasil-adota-conselho-editorial-para-blindar-noticiario-de-acionistas-32997 @CondeOlaf
  7. Mas a Globo tinha ínfima porcentagem nas ações. Acho que apenas 15 % se não me engano.


×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.