Jump to content



Especial: As 10 novelas que mais marcaram o fórum


eplay

Recommended Posts

Malhação

RmEozDf.jpg

Resumo:

Malhação é uma novela, voltada para o público adolescente. Produzida e exibida pela Globo desde 24 de abril de 1995, foi criada por Andréa Maltarolli e Emanuel Jacobina e têm, até o presente momento, 25 temporadas, um spin-off e diversas web-séries.

Depoimentos:

@Gael: Acompanho Malhação desde meus 9 anos, comecei a assistir a partir da temporada de 2004 e desde então sigo acompanhando.

Na época do Múltipla Escolha as temporadas eram melhores que as atuais por não terem o peso da internet como influência, nem todo mundo tinha acesso e as histórias se desenvolviam em seu tempo. Lembro de só ter hits do momento, os instrumentais perfeitos pra cada tipo de cena e o elenco por ser mais velho que o de hoje, conseguia se destacar e envolver mais.

Das mais recentes, gostei de Malhação ID, ''Seu Lugar no Mundo'' e 2010/2011 (Catarina e Pedro), essas pra mim são as que mais lembram a época dos tempos áureos, ainda que a qualidade também seja inferior.

Ao meu ver sempre será um seriado importante, já que as gerações se renovam e os temas dificilmente saírem de moda, alguns até incorporados agora por causa da modernidade que não se tinha há uma década.

Link to comment
Share on other sites

Cuidado com o Anjo

0lF09Zt.jpg

Resumo:

Quando Malú (Maite Perroni) nasceu, sua mãe acreditava estar à beira da morte e a entregou ao padre Anselmo (Miguel Córcega), que a levou para um orfanato. No local, Malú viveu por muitos anos, mas decidiu fugir. A garota conhece Candelária (Evita Muñoz), que lhe dá abrigo e vira sua mãe. Um dia, Malú se mete numa confusão, vai parar na delegacia e é julgada pelo juiz Patrício Valverde (Ricardo Blume), seu pai, e defendida pelo psicanalista João Miguel ( William Levy), por quem a moça se apaixona. Para que Malú não seja presa, João Miguel se responsabiliza por ela e a leva para morar em sua casa. Após um acidente em uma viagem para salvar o casamento, a esposa de João Miguel é dada como morta e, com isso, sua sogra, Ofélia (Laura Zapata), torna sua vida um inferno. Para evitar maiores problemas, Malú vai viver na casa dos Valverde, seus verdadeiros pais, onde mora Estefânia (Ana Patricia Rojo), que diz ser a filha desaparecida. João Miguel e Malú se casam, mas ela descobre um terrível segredo sobre o marido. Por esse motivo, Malú começa a desprezá-lo e foge da cidade quando engravida. Um triângulo amoroso se inicia quando Malú conhece Leopardo, conhecido de João Miguel, que está disposto a conquistar o amor da moça.

Depoimentos:

@Bel:  "Cuidado com o anjo" estreou despretensiosamente nas tardes do SBT em 13 de abril de 2013, às 15h, substituindo a má sucedida reprise de "Jamais de Esquecerei".  A novela é uma releitura da novela venezuelana "Una Muchacha Llamada Milagros", de Délia Fiallo. Mas por muito pouco, a novela não ganhou uma versão brasileira pela Rede Record. Um ano antes da estreia, a emissora dos bispos pretendia lançar um remake da história  sob o título "Vivendo o Amor".

Exibida originalmente nas tardes do México com grande audiência, Cuidado com o anjo encantou a todos tendo como premissas os encontros e desencontros de Malu (Maite Perroni) e João Miguel (William Levy), e da busca de Cecília (Helena Rojo) e Patrício (Ricardo Blume) pela filha desaparecida. Coincidência ou não, Helena Rojo quase repetia seu papel em "El privilegio de amar".  

Como em toda boa novela rosa, Malu precisou passar por vários perrengues até encontrar a tão sonhada felicidade no último capítulo: Ter seu lugar de filha usurpado; sofrer uma tentativa de abuso; ser desprezada pelo próprio pai e pela filha do protagonista; ficar cega. Esses foram só alguns. E os vilões não foram poucos: Isabela (Rocío Banquells), Viviana (Nailea Norvind), Amador (Arturo Carmona), Branca Silva Castro Contreras (Maya Mishalska), Estefânia (Ana Patrícia Rojo) e a doutora em malvadas Laura Zapata como Ofélia. Cada um teve seu momento de brilhar e fizeram a novela ter fôlego para durar 194 capítulos.

Mas a novela foi mesmo dos protagonistas. A trama produzida por Nathalie Lartilleux  foi suficiente para consagrar Maite Perroni e William Levy como verdadeiros astros. A simpatia e esforço dela Perroni, que trouxe uma legião de fãs do RBD consigo, o carisma de dele fizeram o público torcer até o final para que o casal ficasse junto.

Algumas coisas deixaram a desejar. A falta de cuidado da direção com cenas importantes e a falta de verossimilhança não foram perdoados. Devido ao sucesso, a novela foi esticada e teve quase 200 capítulos, tendo que inserir novos plots e personagens que no final não acrescentaram nada à história. Mas mesmo como esses defeitos, a novela não perdeu o seu brilho e foi sucesso por onde passou.

Cuidado com o anjo não inventou a roda, não teve uma trama ousada, nem uma direção impecável, mas foi uma novela feita pra que gosta de sonhar, pra quem gosta de ver novela com cara de novela.

@Cleberson: Fui ver a novela quando o SBT reprisou com aquela ediçao de quase 2h e cada semana em um horario, me apaixonei e foi ai que conheci os circos da Nathalie.

Cuidado com o Anjo só nao é pefeita porque a última fase deixa a desejar, mais é uma novela gostosinha de se acompanha, além de ter sido a primeira novela da Maite que eu vi pós Rebelde.

Porém na minha opiniao Cuidado com o Anjo é pra ser vista uma vez e nunca mais, pq como eu disse a ultima fase desanda e faz você ter vontade de desistir, só nao fiz isso pq nao ia abandonar a novela no fim apos te feito malabarismo pra assistir ela toda nos 50 horarios que teve, ja que tinha dia que era 15h15,15h45, 16h15,16h30 enfim.

Link to comment
Share on other sites

Amor à Vida

7KJUVB4.jpg

Resumo:

Os irmãos Félix (Mateus Solano) e Paloma (Paolla Oliveira) vão disputar a herança do pai, César Khoury (Antônio Fagundes), dono do hospital San Magno, em São Paulo. Com esse objetivo, Félix não medirá esforços para tentar tirar sua irmã do caminho.

César é quem rege as regras no hospital. Clínico geral e casado com Pilar (Susana Vieira) desde os tempos de faculdade, procura sempre na filha o seu sucesso em vida. Parece que ele projeta seu próprio futuro nela. Já a matriarca morre de amores pelo filho mais velho, por quem o pai não tem tanto apreço.

Félix é considerado a "ovelha-negra" da família por César e acaba ganhando uma superproteção exclusiva de Pilar. Incapaz de se formar como médico, Félix acabou enveredando pelos caminhos da administração para conseguir uma patente plausível para pôr em prática suas tramoias dentro do hospital. Frio e ambicioso, desvia dinheiro, se aproveita de informações privilegiadas e planeja sempre a execução de seu maior plano: tomar a frente dos negócios da família. O que ninguém sabe é que ele próprio vive um grande dilema: é homossexual não assumido. Casado com Edith (Bárbara Paz), tem um filho adolescente, Jonathan (Thalles Cabral).

Durante uma viagem de família ao Peru, Paloma se apaixona pelo aventureiro Ninho (Juliano Cazarré), com quem acaba fugindo para se ver livre das pressões da família Khoury. Ela engravida, mas a relação dos dois desmorona. De volta ao Brasil, Paloma acaba dando à luz no banheiro de um bar do centro de São Paulo, com a ajuda de Márcia (Elizabeth Savalla), uma ex-chacrete que dedica sua vida a instruir a filha, Valdirene (Tatá Werneck), a encontrar um marido rico.

Félix vai atrás da irmã e, ao encontrá-la desfalecida e sozinha após o parto, sequestra sua sobrinha sem piedade e joga a recém-nascida numa caçamba de lixo. No mesmo instante, no Hospital San Magno, Bruno (Malvino Salvador) está arrasado por ter perdido a esposa grávida e seu filho no momento do parto. Abalado, ele anda desorientado pelas ruas até que escuta um choro de criança. Bruno acaba encontrando o bebê jogado no lixo por Félix e decide adotar a criança, comovido e fragilizado.

Doze anos depois, Paloma e Bruno se conhecem ao acaso no hospital. Os dois se apaixonaram por conta de Paulinha (Klara Castanho), filha dela, que tem consultas periódicas com a pediatra, sem que ela saiba que a menina é sua cria. Uma forte ligação une os três, inexplicavelmente.

Depoimentos:

@MERCURY: "Amor à Vida" foi uma novela que mostrou que o público quando se interessa pela trama ele embarca na história mesmo que ela apresente uma série de incoerências e inconstâncias. Como foi o caso de "Amor à Vida", uma novela que resgatou no horário das 21 horas o bom e velho dramalhão rasgado, com todos os seus artifícios e manhas. Uma campeã de audiência incontestável, que mobilizou o país em sua semana final, ficando atrás apenas de "Passione" e "Avenida Brasil" em sua época. Walcyr teve o público como cúmplice nessa loucura gostosa e que durou longos 221 capítulos, cruzando o inverno mais frio da década de 2010 e terminando em um dos verões mais escaldantes. 

@RED: Amor a Vida começou com tudo, um dos melhores primeiros capítulos, e a primeira semana tambem excelente, apesar do esticamento causado pela incompetência e falta de confiança da emissora na novela do Soneco, AAV continuou interessante. Acho o plot da cegueira do César sensacionais, mesmo sendo tratado como chacota aqui. Além de ter um dos melhores últimos capítulos já feitos.

@YAN: Amor à vida foi uma grata surpresa ao horário nobre. Já começou como um novelão e chocou a todos com a cena do Félix jogando a filha da irmã na caçamba do lixo, uma cena memorável. Apresentou núcleos cômicos e dramáticos na medida certa, com destaque pra Tatá, que brilhou muito. Teve problemas no enredo e barriga, mas nada que torne a novela uma "bomba" como as suas sucessoras em família, império e A regra do jogo, por exemplo. Antes da chegada do fenômeno A força do querer, amor à vida havia sido o último grande sucesso da faixa, chegando a elevar até 20 pontos do jornal, sendo o único sucesso na programação da globo na época de sua exibição. É um novelão que tem seus méritos, mesmo que alguns digam que não. 

Link to comment
Share on other sites

Império

cD0jkS6.jpg

Resumo:

Final dos anos 1980, bairro carioca de Santa Teresa. O pernambucano José Alfredo (Chay Suede), 22 anos, chegou há dois meses ao Rio de Janeiro “para tentar a vida na grande cidade”, mas ainda não arranjou trabalho. Hospedado na casa do irmão Evaldo (Thiago Martins), logo se vê completamente apaixonado pela mulher deste, Eliane (Vanessa Giácomo). A paixão é mútua. A irmã de Eliane, Cora (Marjorie Estiano), candidata a solteirona e ressentida, que vive com o casal, é a primeira a perceber o que está acontecendo. E, já prevendo o desastre, pressiona a irmã a “acabar com aquela loucura”. Mas José Alfredo e Eliane já planejam uma fuga para recomeçar uma nova vida juntos. No dia da fuga, Eliane descobre que está grávida, e num plano ardiloso de Cora, acaba abandonando José Alfredo, que decide “sumir no mundo”.

Sozinho, José Alfredo parte rumo ao desconhecido e acaba conhecendo o misterioso Sebastião (Reginaldo Faria), que sugere que ele comece a trabalhar com a exploração de pedras preciosas. Depois de uma passagem pelo Monte Roraima, que culmina com a morte de Sebastião, José Alfredo parte para a Suíça, onde vai vai conhecer Maria Marta (Adriana Birolli), uma jovem brasileira proveniente de família tradicional decadente. O rapaz vê a possibilidade de ter o seu nome conhecido na alta sociedade e casa-se com ela. José Alfredo também vai conhecer a empresária portuguesa Maria Joaquina (Regina Duarte), que vai infiltrá-lo no mercado de contrabando de pedras preciosas, meio pelo qual o dinheiro aparece mais fácil e rapidamente do que o trabalho lento e honesto, na visão deles.

Anos depois, José Alfredo de Medeiros (Alexandre Nero) é um homem milionário, chamado de Comendador e já divorciado de Maria Marta (Lília Cabral), que dedica a sua vida a infernizar o ex-marido e ter participação ativa nos negócios da joalheria Império, o empreendimento que enriqueceu a família. Os três filhos do ex-casal são a designer de jóias Maria Clara (Andreia Horta), preferida do pai; o ambicioso José Pedro (Caio Blat), preferido da mãe, com quem vive armando para tirar o pai do poder; e João Lucas (Daniel Rocha Azevedo), o problemático caçula cujo apego ao pai não impede que este detecte nele todos os sinais de um caráter fraco, indolente e irresponsável. Enquanto isso, José Alfredo se dedica aos negócios e a se encontrar com a amante Maria Ísis (Marina Ruy Barbosa), uma ninfeta projetada pela mãe Magnólia (Zezé Polessa) e pelo pai Severo (Tato Gabus Mendes) a tirar dinheiro de José Alfredo.

A queda do império de José Alfredo começa quando seu talismã, um poderoso diamante rosa da África do Sul, símbolo de status e poder, desaparece no Monte Roraima. Em sua visão mística, José Alfredo acredita que tudo vai por água abaixo caso ele não encontre a sua pedra preciosa favorita e se livre de um falso brilhante que ficou no lugar. E uma história do seu passado, que ele julgava morta e enterrada, ressurgirá em sua vida através de Cristina (Leandra Leal), a filha de Eliane (Malu Galli). Influenciada por Cora (Drica Moraes) após a morte dos pais, e para conseguir meios de tirar da cadeia o irmão, que foi responsabilizado por um incêndio no camelódromo onde trabalham, ela exigirá do Comendador um teste de paternidade graças ao qual se tornará o mais novo membro de sua família, para o desespero de Maria Marta e seus filhos.

Depoimentos:

Link to comment
Share on other sites

Os Dez Mandamentos

jLn9ixl.jpg

Resumo:

A trama se inicia no ano de 1300 a.C. na cidade egípcia de Pi-Ramsés. Naquele tempo, o poderoso faraó Seti I (Zé Carlos Machado), que nunca escondeu seu ódio pelos hebreus, determina a morte de todos os bebês de origem israelita do sexo masculino. Para cumprir a ordem, muitos recém-nascidos tiveram suas vidas interrompidas ao serem jogados no rio Nilo. No entanto, um deles foi salvo por sua família, que o colocou dentro de um cesto no rio, confiando que Deus o guiaria a um local seguro.

O menino do cesto acabou sendo acolhido pela princesa Henutmire (Mel Lisboa) que, em um ato de piedade, resolveu cuidar da criança. Ela o batizou de Moisés e o criou como um verdadeiro príncipe egípcio, ao lado de seu tio-irmão Ramsés (Edu Pinheiro) e da bela Nefertari (Giovanna Maluf). A beleza dela despertará o amor dos dois, que viverão muitos conflitos.

Moisés, já adulto (Guilherme Winter), se envolve com o sofrimento de seu povo e passa a enfrentar o temível faraó. Após desavenças, ele se vê obrigado a fugir e vai para a terra de Midiã, onde se casa com a rebelde Zípora (Giselle Itié) e passa a trabalhar como pastor de ovelhas. É lá que, durante o pastoreio de seu rebanho, a vida de Moisés muda para sempre. Ele recebe um chamado de Deus, que se revela ao hebreu e o manda de volta ao Egito, para libertar seu povo da escravidão.

De volta ao Egito, Moisés encontra seus irmãos Arão (Petrônio Gontijo) e Miriã (Larissa Maciel), além de sua mãe Joquebede (Denise Del Vecchio). Para cumprir o que Deus ordenou, o profeta precisa enfrentar um grande inimigo, seu tio-irmão Ramsés (Sérgio Marone), herdeiro do trono do Egito, que fará de tudo para impedir Moisés de retirar seu povo de lá.

E é nesse cenário que a insistência de Ramsés fará o povo egípcio enfrentar dez pragas enviadas por Deus: águas virarão sangue; rãs, piolhos, moscas e gafanhotos invadirão a região; doenças atingirão os animais; fogo e granizo cairão do céu; as trevas ocuparão o lugar da luz; e, por fim, a morte dos primogênitos egípcios.

Apenas após a décima praga, que custou a morte de seu herdeiro primogênito, Ramsés permitirá ao povo hebreu abandonar o Egito. No entanto, a decisão durará pouco tempo. Ele decide voltar atrás e manda seu exército perseguir os hebreus no deserto. E é durante essa perseguição que irá ocorrer um dos mais famosos milagres bíblicos: Deus abrirá o Mar Vermelho, permitindo ao povo hebreu atravessá-lo a pés secos. Quando seu povo chega ao outro lado, Deus fecha o mar, afogando e matando todo o exército egípcio.

No deserto, o hebreus passarão por muitas provações e desavenças. Liderado por Moisés, eles caminharão cerca de quarenta anos para chegarem à Terra Prometida por Deus. Alguns seguirão os preceitos passados por Moisés. Já outros questionarão as reais intenções do líder bíblico e ficarão pelo caminho.

Depoimentos:

@Faxi: Os Dez Mandamentos foi uma novela muito especial aqui em casa. Nós não acompanhávamos mais novelas da Record desde os tempos de Vidas em Jogo. Começamos despretensiosos a acompanhar a trama de Vivian de Oliveira, e quando vimos já estávamos conquistados pela novela, se iniciava uma tradição de ligar a televisão na Record as 20h30. Acompanhamos a primeira temporada e a segunda temporada de Os Dez Mandamentos. Confesso que a telespectadora fiel era a minha mãe, que não perdia um capítulo, eu acabava perdendo um ou outro. Acompanhei também A Terra Prometida, adorei a novela. A única que não acompanhamos aqui em casa é O Rico e Lázaro e nem as reprises que a Record colocou entre as temporadas de ODM. Torço pelo sucesso da dramaturgia brasileira, várias famílias dependem do sucesso das novelas da Record, da Globo e do SBT. A Record precisa de mais planejamento, pessoas que realmente entendam de TV, a Record tem um elenco ótimo, que não é valorizado. O SBT precisa de mais investimentos nas produções infantis, poderiam muito bem ter duas novelas infantis inéditas no ar, com a divisão da produção com canais fechados, como a Disney e a Nickelodeon. Bom, acho que vou acabar me alongando demais... Muito obrigado pelo convite e um abraço a todos do fórum! 

@JJL: Os dez mandamentos para mim foi um marco na dramaturgia nacional não apenas para a Record. No início os haters duvidavam do sucesso e eu insistia em dizer que seria fenômeno e acertei. Vivian sempre soube escrever novela bíblica criou o sucesso Rei Davi, José do Egito e Os Dez Mandamentos, teve a mega vilã Yunet interpretada pela perfeita Adriana Garambone e Sérgio Marone como o o vilão , e o principal Guilherme Winter que também fez bonito, no total a novela foi muito boa, apesar que depois da abertura do mar a novela ficou Zzzzzzzz, e a segunda parte piorou mas como fã da Record posso dizer que a novela foi 9/10 e vamos esperar outro fenômeno vindo aí Apocalipse essa pode parar o Brasil novamente.

Link to comment
Share on other sites

Verdades Secretas

e4afuBO.jpg

Resumo:

Fama, dinheiro, prazer. Em Verdades Secretas, uma paixão obsessiva coloca mãe e filha num perigoso triângulo amoroso.

Arlete (Camila Queiroz) é uma adolescente ingénua, que sempre sonhou com a carreira de modelo. Após a separação dos pais, muda-se para São Paulo com a mãe, Carolina (Drica Moraes), e vai morar com a avó. Quando as dificuldades financeiras começam a aumentar, Arlete vê no seu grande sonho uma oportunidade para dar uma vida melhor à família.

Não demora até a ambiciosa empresária Fanny (Marieta Severo) se encantar com o perfil de Arlete e convidá-la para sua agência de modelos. Nesse novo universo, Arlete recebe uma transformação completa, não só no visual, mas também no nome, e passa a ser conhecida como Angel. Só que por trás de todo o glamour das passarelas, existe um esquema de prostituição comandado pela imoral Fanny, que vai transformar a vida da recém-modelo para sempre: o “book rosa”.

Entre a imensa lista de mulheres envolvidas no book rosa, encontra-se Larissa (Grazi Massafera), uma modelo veterana que já viveu momentos de glória nas passarelas, mas que também entrou para o submundo da prostituição para sustentar a família e acaba por se envolver com drogas. Quem ajuda Fanny a manter esse esquema a funcionar é o interesseiro Anthony (Reynaldo Gianecchini - Laços de Família), seu parceiro nos negócios e na cama.

No início Angel resiste em fazer parte do book rosa, mas depois vê-se obrigada a participar do esquema para pagar as dívidas da casa onde mora com a família. O seu primeiro encontro é com o poderoso empresário Alex (Rodrigo Lombardi, de Caminho das Índias), que desenvolve uma obsessão imediata pela rapariga. Acreditando que o amor de Alex é verdadeiro, Angel deixa-se envolver nos seus jogos de sedução e acaba quebrando a regra mais importante do universo da prostituição: nunca se apaixonar pelo cliente.

Depois de perceber que aquela relação não teria futuro, Angel decide afastar-se. Mesmo depois de começar um namoro com Gui (Gabriel Leone), sobrinho de Alex,o seu coração continua dividido. Para ficar perto de Angel, o empresário casa-se com Carolina, que não tem ideia do envolvimento do novo marido com a sua própria filha. Vítimas da mesma paixão, mãe e filha são envolvidas num arriscado triângulo amoroso, repleto de segredos e jogos de manipulação.

Com uma trama que envolve tensão e sensualidade, Verdades Secretas explora os limites de cada um quando o assunto é obsessão, dinheiro e prazer, usando o cenário da moda como pano de fundo. 

Depoimentos:

@MERCURY: "Verdades Secretas" veio para mostrar que é possível tratar temas bastante espinhosos em novelas desde que o autor tenha cuidado. Uma novela forte, realista e que se firmou como maior sucesso da faixa. Novela premiada e entrou para o rol de tramas clássicas e polêmicas. 

@RED: Verdades Secretas foi a única novela do Walcyr que eu comecei a ver sem hype nenhum, e já na primeira cena fui arrebatado. Direção primorosa, atuações impecáveis e texto afiado do Walcyr nos bridaram com a melhor novela da década, não é a toa que é Emmy Winner (sente o cheiro @). Grito com os jegfãs que plantaram a fanfic da colaboradora de fina estampa ser a autora principal desse hino.

@YAN: Pra mim e para muitos, a novela da década. Uma trama que chegaram a duvidar do sucesso (sempre subestimam o Walcyr), mas depois todos se renderam. Conseguiu discutir temas fortes e ter personagens mais polêmicos ainda. Drica Moraes, Camila Queiroz, Marieta Severo, Agatha Moreira e Grazi Massafera brilharam e foram ovacionadas merecidamente, sendo Grazi uma emmy nominee e a novela emmy winner, dá vontade né JEC? Dá vontade de ganhar com qualidade né, Aguinaldo? Com verdades secretas, Walcyr prova mais uma vez sua versatilidade e o público compra de imediato a trama, que foi um enorme sucesso, dando mais que a fracassada novela das 9 da época, mesmo sendo exibida em um horário bem menos acessível. São tantas cenas maravilhosas, mas a que mais gosto é a da Angel (Camila Queiroz) se casando e Fanny (Marieta Severo) vendo em seu olhar que a mesma fora a culpada pela morte de Alex (Rodrigo Lombardi).

Link to comment
Share on other sites

Além do Tempo

4pVa8zi.jpg

Resumo:

Século 19, sul do Brasil. Lívia (Alinne Moraes) e Felipe (Rafael Cardoso) não sabem, mas nasceram um para o outro e há muitas passagens por aqui vêm tentando viver juntos esse amor. Felipe é membro de uma família nobre e está prestes a se casar com Melissa (Paolla Oliveira), uma jovem de caráter duvidoso. Lívia, de origem humilde, em breve vai voltar para o convento por imposição da mãe, Emília (Ana Beatriz Nogueira). Os dois se encontram em Campobello, no sul do país, região que começa a se desenvolver graças à colonização italiana e ao cultivo de uvas.

Entretanto, o casal vai enfrentar muitos obstáculos e muitas provações. A principal é a Condessa Vitória Castellini (Irene Ravache), tia-avó do rapaz e mãe Bernardo (Felipe Camargo), o amor do passado de Emília, pai de Lívia. A condessa nunca aceitou a mulher do filho e tem ódio dela. Numa emboscada que Vitória armou para a nora, Bernardo foi a vítima e acabou dado como morto. Na verdade, Vitória o internou num manicômio e sustentou a farsa da morte do filho. Emília, achando que perdeu o marido, tornou-se uma mulher amargurada, e quer manter a filha no convento. Enquanto isso, a Condessa Vitória não descansa quando não ver o sobrinho Felipe casado com Melissa.

O amor perdura além do tempo. Cerca de 150 anos depois, acontece um novo encontro entre Lívia, Felipe e as pessoas que conviveram com eles no século 19. Já nos dias atuais, eles não se reconhecem fisicamente e vivem de outra forma. Eles têm nas mãos a oportunidade de se redimir, escrever uma história diferente e acertar as contas com o passado. É a chance de cada um de ter uma nova vida, colhendo o que plantou um dia.

Vitória (Irene Ravache) ressurge na atualidade como uma mulher orgulhosa, dona de uma vinícola falida . Já Emília (Ana Beatriz Nogueira), é uma empresária de sucesso, disposta a comprar a vinícola de Vitória, que, de sogra no passado, agora é sua mãe.

O casal de mocinhos também troca de posição social de uma vida para a outra. Lívia (Alinne Moraes) é uma empresária e enóloga, que ajuda a família a fazer bons negócios. Felipe (Rafael Cardoso) é um produtor de vinhos artesanais que luta para que a vinícola não seja comprada pela empresa de Lívia, ou mesmo fechada de vez. O triângulo amoroso com Melissa (Paolla Oliveira) vai se repetir. E, mais uma vez, Felipe e Lívia terão que enfrentar as barreiras sociais e as armações de Melissa.

Depoimentos:

Link to comment
Share on other sites

Êta Mundo Bom!

ecfYkOQ.jpg

Resumo:

“Tudo o que acontece de ruim na vida da gente é pra meiorá”. Este é o lema de Candinho (Sèrgio Guizé). Não tem tempo ruim para este charmoso matuto, que não abandona o otimismo mesmo com tantos percalços em seu caminho. Nosso herói foi separado da mãe logo após seu nascimento e foi acolhido pelo casal Cunegundes (Elizabeth Savala) e Quinzinho (Ary Fontoura), donos de uma fazenda, no interior de São Paulo. Mas quando cresce, Candinho vira empregado nessa casa e é expulso por se apaixonar pela primogênita, Filomena (Débora Nascimento).

Pancrácio (Marco Nanini), amigo da família que criou Candinho e seu grande mentor, o aconselha a seguir para a capital em busca da mãe biológica, Anastácia, que ele nunca conheceu. Assim Candinho o faz junto de seu inseparável burro, Policarpo. A mãe (Eliane Giardini), a esta altura, é uma viúva milionária e também está à procura do filho na capital. Mas Anastácia não faz ideia de que a sobrinha, Sandra (Flávia Alessandra), fará de tudo para atrapalhar esse encontro, pois teme perder a posição de herdeira. A personificação da falsidade, na frente de Anastácia, Sandra é doce e generosa, mas por trás, é gananciosa e interesseira.

Sem se deixar abater, Candinho enfrenta as mais diversas situações para sobreviver na cidade grande, onde conhece seu fiel amigo, o garoto Pirulito (JP Rufino). Além da busca incessante pela mãe, ele também vai lutar pelo amor de Filomena, que agora mora na capital e vive uma relação com o possessivo Ernesto (Eriberto Leão). Com uma lábia infalível, o vilão conheceu Filomena e a convenceu a fugir com ele para a capital com a promessa de casamento. Mas o mundo de Filó desaba quando os dois chegam em São Paulo. Além de não cumprir com o prometido, Ernesto praticamente obriga a moça a se tornar uma dançarina num dancing club e fica com a maior parte do dinheiro que ela ganha no local.

Depoimentos:

@MERCURY: "Eta", como era chamada pela maior parte das pessoas, foi, ao meu ver, a novela mais genérica do Walcyr, onde ele apanhou tudo que deu certo em suas tramas de épocas e usou sem medo de ser feliz. O resultado? Mais uma novela sua aclamada pelo público e de sucesso estrondoso. Quem imaginaria que as 18 horas veria novamente 36 pontos de média?   

@RED: Eta Mundo Bom eu sabia que ia amar desde as primeiras notas, uma grande homenagem do Walcyr pra quem acompanhou a trinca de sucesso dele do horário na década passada. Mesmo com alguns elementos parecidos, acho que o Walcyr conseguiu diferenciar bem e seguir um caminho diferente, mesmo quando parecia que ele ia se repetir. Aguardando a reprise ano que vem.

@YAN: Uma novela deliciosa e despretensiosa no horário das 6. Um grande clichê como pede o público, o filho que nunca conheceu a mãe, a mãe que procura o filho e a família ambiciosa que tenta  jogar esse filho perdido para fora do "jogo". Sérgio Guizé, Eliane Giardini, Marco Nanini e Bianca Bin brilharam muito em seus respectivos papéis. Bianca assumiu o posto de protagonistas que Débora Nascimento não conseguiu segurar, o que prova o porquê da atriz ter sido escalada para ser a protagonista de O Outro Lado do Paraíso, segunda trama de Walcyr no horário nobre. É a novela  das 6 de maior audiência da década, coleciona recordes atrás de recordes e mais uma vez, Walcyr se consolida em todos os os horários que passou.

"Seu Osório, morreu de amor":gret8:

Link to comment
Share on other sites

Velho Chico

4Jz8JcX.jpg

Resumo:

O romance proibido entre Santo dos Anjos (Domingos Montagner) Maria Tereza (Camila Pitanga), que começa com seus antepassados na década de 1960, passa por conflitos entre famílias rivais na disputa por posse de terras e poder, e culmina na atualidade em meio à luta pelo renascimento do Rio São Francisco, o Velho Chico.

Final da década de 1960, fictícia Grotas de São Francisco, Nordeste brasileiro. O poderoso Coronel Jacinto (Tarcísio Meira), conhecido como Coronel Saruê, comanda a política, a economia e quem aparecer pela sua frente. E também está de olho nas terras do Capitão Ernesto Rosa (Rodrigo Lombardi). Dono da fazenda Piatã, o capitão tem moral e coragem para enfrentar a figura do “todo-poderoso” coronel, e isso é o que provoca o início do duelo que vai atravessar gerações até os dias de hoje.

Jacinto é casado com Encarnação (Selma Egrei), uma mulher amargurada, marcada pela morte trágica do primogênito. O único herdeiro do casal que restou é Afrânio (Rodrigo Santoro), que partiu para estudar Direito em Salvador, mas nunca deixou de viver às custas da rica família. Lá ele apaixonou-e pela cantora Iolanda (Carol Castro), uma jovem à frente de seu tempo. A morte súbita do pai, porém, faz Afrânio retornar à casa para assumir os negócios – deixando de lado a amada e seu posto de doutor para se tornar o mais novo Coronel Saruê.

A mando de sua mãe, o novo coronel começa a visitar os parceiros de seu pai pela região. É num destes encontros que ele acaba se envolvendo com Leonor (Marina Nery), filha de Aracaçú (Carlos Betão). Descobertos, são obrigados a se casarem. Desta união à base do facão, nasceu Maria Tereza (Isabella Aguiar) pelas mãos da própria avó, que amaldiçoa a nora pois esperava, minimamente, um neto varão.

Do outro lado da história, o Capitão Ernesto Rosa é um homem correto e vive um casamento feliz com Eulália (Fabiula Nascimento). Os dois adotaram Luzia (Carla Fabiana), encontrada ainda bebê em meio à plantação de algodão. Na mesma época, o casal acolheu em sua casa os retirantes Belmiro dos Anjos (Chico Diaz), Piedade (Cyria Coentro) e o filho bebê Santo (Rogerinho Costa). As crianças tornaram-se irmãos de leite, ambos amamentados por Piedade, mas, com o passar do tempo, a menina acabou se apaixonando pelo menino.

Em uma procissão de São Francisco de Assis na cidade de Grotas, as vidas de Maria Tereza e Santo se cruzam. Representando Nossa Senhora e São José, os dois se jogam nas águas do rio e, ali, o Velho Chico une seus caminhos. O amor proibido acaba sendo descoberto pelo pai da jovem, Afrânio. Diante da situação, ele tranca a filha em um internato em Salvador bem longe de seu amado. De lá, Maria Tereza começa a enviar cartas ao seu amado informando que dali a um tempo nasceria o filho deles: Miguel. Mas Santo nunca recebeu tais cartas, que foram interceptadas por Luzia, desde sempre apaixonada pelo irmão postiço.

Vinte anos depois, Grotas de São Francisco recebe novamente Maria Tereza (Camila Pitanga), agora casada com o ambicioso político Carlos Eduardo, uma “cria” do Coronel Saruê (Antônio Fagundes) . E é ali que o Velho Chico torna a guiar o curso desta história e deste amor, quando o reencontro de Maria Tereza e Santo (Domingos Montagner) é inevitável, mesmo tendo cada qual trilhado seu caminho e constituído suas famílias, que voltam a travar batalhas ancestrais.

Depoimentos:

@Franklin Velho Chico foi intensa do início ao fim! Mesmo nas fases mais lentas, sempre mostrou uma carga emocional muito forte...um texto bem escrito, atuações marcantes, temas e críticas importantes muito bem alinhadas a trama, além é claro da direção esmerada. 

Luiz Fernando Carvalho encontrou uma maneira muito interessante pra contar essa história, todo o trabalho primoroso se deve bastante a esse profissional, do qual sempre admirei e mais uma vez não me decepcionou. Como telespectador foi uma obra que me deixou bastante satisfeito no geral e em tempos que se fala muito em "novelas superestimadas", acredito que o que ocorre com essa é exatamente o oposto, por isso não poupo palavras pra enaltecer essa grande obra. Mais do que a minha opinião de fã, é ter consciência do quanto ela vale e do destaque que merece na teledramaturgia recente.

@nandes: A minha primeira impressão da novela não foi muito positiva, o estilo que o LFC propôs parecia ser mais importante que a história, tudo muito "style over substance"

Foi quando a segunda fase começou, com o  romance de Santo e Tereza, que a novela me fisgou de um jeito que eu não esperava. Lembro bem que o Domingos disse na última entrevista dele, que essa novela não é daquelas que se pode assistir fazendo outra coisa, lendo o twitter, vendo outros sites, e ouvindo como se fosse novela de rádio. O forte de Velho Chico sempre existiu nos detalhes: na construção lenta de várias cenas, naqueles closes fortes nas feições dos atores, nos movimentos de câmera inesperados, as trilhas sonoras dramáticas que acompanham as cenas – enfim, na produção caprichada, em todos sentidos.

E é muito difícil se desconectar e se prender a uma novela assim, nos dias de hoje, quando os tweets parecem ser 50% da experiência de acompanhar a tv. Mas sempre que eu conseguia, foi uma novela linda de se ver e ouvir.

Não que ela não tenha tido defeitos, longe disso. Um exemplo grande foram os discursos didáticos sobre ecologia, que poderiam ter sido incorporados com mais naturalidade na trama. Mas no geral não teve nada grave que comprometesse a qualidade da novela.

Vou sentir muitas saudades de ter aquele calafrio quando Mortal Loucura começava a tocar nas cenas de Santo e Tereza, da atuação magistral da Selma Egrei, de ver atores novatos como Lucy Alves, Giullia Buscacioe Gabriel Leone atuando entre veteranos como se tivessem 50 anos de carreira, de ver Camila Pitanga e Domingos Montagner dizendo tantas coisas com só um olhar, de Afrânio, Martim, Iolanda, Doninha, Beatriz, Dalva, Chico Criatura, Piedade...

Link to comment
Share on other sites

A Força do Querer

V7BNR4x.jpg

Resumo:

O advogado Caio (Rodrigo Lombardi) largou a possibilidade de administrar uma grande empresa no Brasil, a Garcia, quando Bibi (Juliana Paes) terminou o relacionamento com ele. Sem olhar para trás, trocou o Rio de Janeiro pelos Estados Unidos. Passados quase quinze anos, ele entende que é momento de voltar e encarar o que deixou para trás. Um homem movido por ideais éticos, que, ao conseguir crescer e ter sucesso em um alto cargo ligado à Justiça, vive um grande conflito íntimo ao ver sua vida cruzar novamente com a de Bibi, que terá, então, enveredado pela vida do crime.

Bibi não conseguiu terminar a faculdade de Direito onde conheceu Caio, mas tem certeza de que fez a escolha certa ao abandonar este homem, que dividiu seu amor por ela com o amor pela profissão. É do tipo que ama demais, quer e só entende o amor em temperatura máxima. Conhece e casa-se com Rubinho (Emílio Dantas), mas o casal passa por dificuldades financeiras. Ela acredita que, se continuarem juntos, tudo vai dar certo, custe o que custar. Rubinho quer esse amor, mas também quer dinheiro e poder.

Hoje, quem administra a Garcia é Ruy (Fiuk), filho de Eugenio (Dan Stulbach), um dos donos do negócio. O jovem tem a vida organizada: além da posição social e profissional, está noivo de Cibele (Bruna Linzmeyer). Em uma viagem de trabalho a Parazinho, no Pará, ele fica encantado por Ritinha (Isis Valverde), mas não quer abrir mão do noivado e de seu futuro por ela. Ritinha adora sentir o fascínio que exerce sobre os homens, assim como as sereias. Apesar de ser noiva de Zeca (Marco Pigossi), um rapaz conhecido por sua boa índole e apaixonado por ela, nada a impede de jogar com Ruy. Ritinha gosta de seduzir, conquistar. E Ruy não resiste ao canto dessa sereia.

Zeca é um tipo rude, passional, coração enorme. Mas, ao saber do envolvimento de Ritinha com Ruy, decide se mudar para Niterói, no Rio de Janeiro, e recomeçar. Quer se libertar do fascínio que Ritinha exerce sobre ele. Lá, conhece Jeiza (Paolla Oliveira), uma mulher diferente de todas as pessoas que já conheceu. Ela é policial, trabalha no Batalhão de Ações com Cães e sonha em se tornar lutadora de MMA. Difícil é encontrar um parceiro que entenda e respeite seu trabalho. Jeiza quer conquistar os ringues e mostrar que mulher pode fazer o que quiser.

Eugênio (Dan Stulbach), pai de Ruy, quer sair do posto de chefia e seguir a tão sonhada carreira de advogado. Joyce (Maria Fernanda Cândido), sua esposa, é uma mulher que cultua tudo o que diz respeito à beleza e ao feminino. Criou a filha Ivana (Carol Duarte) para vê-la como uma extensão de si própria. Entra em conflito com a filha quando a menina se revela trans homem. Ivana quer resgatar sua identidade, é um homem que nasceu num corpo de mulher. A relação de Eugênio e Joyce se desestabiliza com a chegada de Irene (Débora Falabella), uma mulher manipuladora, capaz de tudo para fazer valer seu querer, no caso, Eugênio.

No comando da Garcia com Eugênio está o seu irmão Eurico (Humberto Martins), um homem controlador e intransigente. A esposa dele, Silvana (Lilia Cabral), quer a emoção dos riscos e mergulha de cabeça na dependência do jogo. Dantas (Edson Celulari), pai de Cibele, também trabalha na Garcia. Tudo o que ele deseja é reconhecimento, já que ajudou os irmãos Garcia a segurarem a empresa depois da morte precoce do patriarca, e se sente injustiçado acreditando que nunca lhe deram o valor que merece. As histórias desses personagens se cruzam quando a força do querer de um afeta a força do querer do outro e pode determinar os rumos inesperados desta história.

Depoimentos:

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Recently Browsing   0 members

    • No registered users viewing this page.
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.