Jump to content


Chiquititas - A História: Conheça todas as versões da trama.


Rennê

Recommended Posts

 

1.png

Criadora de grandes sucessos, Cris Morena é sem dúvidas umas das mais populares produtoras de todos os tempos, sobretudo no que diz respeito a obras voltadas ao público infanto-juvenil. Obteve sucesso com tramas como Rebelde Way e Floricienta, mas tudo começou através de uma obra com uma inspiração de A Noviça Rebelde e toque de Annie: Chiquititas, que narra a saga de orfãos em busca da felicidade, vivendo em meio a sonhos, magia e pequenas histórias de amor.

3.png
Chiquititas - Argentina (1995 - 2001)
A novela estreou em 1995, tendo ido ao ar até 2001. Ao longo de sete temporadas, se transformou em uma das novelas infantis mais conhecidas da história. Na quatro primeiras temporadas foi protagonizada por Romina Yan, que deu vida à personagem que cuidava dos orfãos, Belén, e porAgustina Cherri, que interpretou a orfã Mili. Uma curiosidade é que inicialmente a obra seria protagonizada por um homem, lembrando o musical Annie, Na quinta temporada a trama tomou novos ares, dando restart em seu elenco, mas conservando a premissa da história, e sendo protagonizada pela famosa atriz Grecia Colmenares, conhecida por protagonizar o clássico Topázio (a mais famosa versão da Esmeralda). Essa temporada não obteve sucesso de audiência, e pra dar a volta por cima, terminou com um final trágico, com a morte dos protagonistas adultos e a destruição do orfanato. Após a reviravolta, iniciou a sexta temporada, com os orfãos vagando pelas ruas até encontrar o orfanato Rincón de Luz, e logo surgindo Luz, a nova protagonista adulta, interpretada por Romina Gaetani, um dos grandes nomes da teledramaturgia argentina. Essa temporada foi um grande sucesso, tendo sido exibida pelo SBT em 2007. Após isso, um conflito interno entre a Telefé e Cris Morena levou ao fim da novela, que foi renovada pra uma última temporada, a sétima, que foi protagonizada por Agustina Cherri, voltando ao papel de Mili, agora adulta. Essa temporada teve apenas 10 episódios, tendo finalizado deixando histórias em aberto, como o mistério sobre quem era o filho perdido de Rafael Sander. A sétima temporada foi marcada também pela trágica morte do ator Pablo Lizaso, que interpretava o personagem Enzo. Um filme também foi produzido em 2001, com uma história alternativa e trazendo Romina Yan novamente ao protagônico.

2.png
Chiquititas - Brasil (1997 - 2001)
O sucesso da novela argentina correu aos quatro ventos até chegar nos ouvidos da direção do SBT, que se interessou pela obra. Trazendo uma bagagem de clássicos juvenis de sucesso como Carrossel, Chispita e Vovô e Eu, o SBT viu em Chiquititas a oportunidade de atrair ainda mais o público infantil. Inicialmente iriam exibir a versão original argentina, que no ano de 1996 chegou a ter toda a primeira temporada dublada, mas logo mudaram de ideia, resolvendo apostar em um remake. A versão brasileira foi possível sobretudo pelos baixos custos de orçamento, uma vez que seria toda gravada na Argentina, nos mesmos cenários da obra original. Chiquititas Brasil estreou em 1997, tendo ido ao ar até 2001, com um total de 5 temporadas, protagonizadas pela atriz Flávia Monteiro no papel de Carol e Fernanda Souza como Mili. Com o fim da versão argentina e a quebra de contrato entre Cris Morena com o canal Telefé, a continuação das gravações da versão brasileira por lá ficaram impossibilitadas. O SBT chegou a cogitar a gravação de uma sexta temporada no Brasil, mas a queda de audiência na quinta temporada os levou a optar pela finalização do produto. Chiquititas, ao longo dos seus anos de existência, foi um grande sucesso no Brasil, tendo vendido milhões de discos, além do licenciamento de diversos produtos, e tendo lançado atores e atrizes que vieram a ser tornar grande estrelas da televisão.

4.png
Chiquititas - México (1998)
Produzida pela TV Azteca e exibida em 1998, a obra também foi gravada nos estúdios argentinos. Foi protagonizada pela atriz Ana Serradilla e durou somente uma temporada. Uma curiosidade é que em seu elenco está presente o ator Felipe Colombo, que logo após o fim das gravações dessa versão, permaneceu na Argentina onde foi incluso no elenco da versão argentina, tendo sido o protagonista juvenil masculino de 1999 a 2001. Felipe fez carreira no país, também protagonizando o sucesso Rebelde Way e integrando a famosa banda Erreway, que vendeu milhões de discos entre os anos de 2002 e 2006. Essa versão também foi exibida nos Estados Unidos pelo canal Telemundo. Para saber mais sobre essa adaptação mexicana, confira a matéria do site Televisa BR sobre a obra:

5.png
Chiquititas - Argentina (2006)
Após anos afastada da Telefé, Cris Morena retornou ao canal cheia de ideais. Levou ao ar sua primeira novela adulta, Amor Mío, protagonizada pela sua filha Romina Yan, que deu vida a Belén em Chiquititas. Estreou também a trama voltada ao público jovem Alma Pirata, protagonizada pelos seus pupilos chiquititos e rebeldes Benjamín Rojas eLuisana Lopilato. Mas seu grande projeto nessa volta foi ressuscitar seu grande sucesso Chiquititas. Passados dez anos desde a estreia da versão original, Cris resolveu homenagear a produção com Chiquititas Sin Fin, que foi ao ar em 2006. Protagonizada por Jorgelina Aruzzi Gastón Ricaud, a obra levou ao estrelato os atores Peter LanzaniGastón Soffritti e a grande estrela e cantora Lali Espósito. A obra trouxe novamente a premissa do filho perdido, dessa vez a busca se deu pela protagonista Magalí, que fantasiada de Lili, passa a cuidar de um orfanato enquanto busca descobrir quem é seu filho. Na parte musical, foram regravadas grandes clássicos da primeira versão.

6.png

Chiquititas - Portugal (2007)
A versão brasileira de Chiquititas já havia sido exibida em Portugal, mas a história só foi alcançar sucesso quando produziram sua própria versão, inspirada na versão exibida em 2006 na Argentina. A produção dessa versão foi motivada pelo recente sucesso obtido pela adaptação de Floricienta, outra obra da Cris Morena, na época. Essa versão teve 217 capítulos e ficou no ar por mais de um ano. Inicialmente era exibida de segunda à sexta, não obtendo índices satisfatórios. Após seu horário ser trocado pra sábados e domingos, a trama disparou, conquistando a liderança e se consolidando em um sucesso. Seu CD conquistou disco de platina, e vários outros produtos também foram licenciados. A adaptação portuguesa seguiu fielmente o texto argentino, sofrendo mudanças somente em seus finais, onde aliviaram os dramas muito trágicos, e trocaram a criança que era filha da protagonista. Na original sua filha é Anita, na portuguesa seu filho é Nano.

7.png
Chiquititas - Romênia (2007)
A obra também foi adaptação da versão exibida em 2006, tendo indo ao ar na Romênia em 2007, e seguiu fielmente o roteiro argentino, alterando somente seu final, onde descobre-se que o filho perdido da personagem principaç é Luna/Lua. A curiosidade é que nas três adaptações dessa história, os prováveis filhos da protagonista são Anita, Nando e Lua. Na original, sua filha é Anita, na portuguesa, seu filho é Nano, e na romena, sua filha é Lua. A trama foi protagonizada pela atriz Ileana Lazariuc nos papéis de Diana e Didi, e foi produzida pelo Kanal D. Não muito se sabe à respeito da mesma, mas comenta-se que ela teria sido inteiramente gravada na Argentina, mas isso carece de fontes. Informações acerca do desempenho em audiência são desconhecidas. A produção, apesar de ter utilizado as músicas da versão original, não tem muitos videoclipes, e um álbum não chegou a ser lançado.


8.png
Chiquititas - Brasil (2013)
Com o sucesso do remake do clássico mexicano Carrossel, o SBT passou a buscar por uma trama para substituí-la e seguir com a linha de produções infantis. Chiquititas, que já havia sido um sucesso na década de 90, foi a escolhida para ganhar uma nova versão. A trama foi protagonizada pelas atrizesManuela do Monte, no papel de Carolina, e Giovanna Grigio, como Mili. Ficou no ar por mais de dois anos, e diferente da primeira versão, não se dividiu em temporadas. Apesar disso, utilizou histórias da segunda e terceira temporadas originais. Na trilha sonora, regravou clássicos da obra, mas também integrou canções inéditas e regravações de canções conhecidas da música popular brasileira. Apesar de não ter alcançado todo o fenômeno de Carrossel, Chiquititas foi um sucesso e rendeu bons frutos ao canal. Mais de 500 produtos foram licenciados, e vários atores e atrizes mirins foram levados ao estrelato. Apesar disso, essa versão também obteve várias críticas negativas em comparação com a versões original argentina e a primeira adaptação brasileira, sobretudo pela não divisão em temporadas, tendo mantido durante toda a novela uma só abertura, além da enrolação para a relevação da trama principal, com Mili descobrindo que Gabriela é sua mãe. Também sentiu-se falta de personagens clássicos como Fran, e a atuação de Manuela do Monte como Carolina não foi bem aceita por parte do público saudoso da Carolina interpretada por Flávia Monteiro.

9.png
Bônus: Rincón de Luz - Argentina (2003)
Apesar de não ser uma versão oficial de Chiquititas, segue a mesma premissa, e foi também criada e produzida por Cris Morena, na tentativa de reestabelecer seu sucesso entre o público infantil após o fim de Chiquititas e sua saída da Telefé. Protagonizada pela conhecida cantora argentinaSoledad Pastorutti, vencedora de um grammy latino, a obra não obteve grande sucesso, tendo tido somente uma temporada. Apesar disso, marcou um dos poucos trabalhos da Soledad como atriz, além de ter marcado a estreia na televisão de atores que viriam a trabalhar com Cris Morena em outros projetos e se tornar estrelas, como Lali Espósito,Stefano de GregorioGastón Soffritti e Maria Eugenia Suárez.

 

 

 

 

 

http://www.meiolatino.com.br/2015/10/chiquititas-historia-conheca-todas-as.html

 

Link to comment
Share on other sites



  • Replies 4
  • Created
  • Last Reply

Tem algo muito errado sobre Rincon de Luz! A novel teve muito sucesso para os padrões do canal que foi exibido, só que não renovaram pra mais uma temporada pq o sucesso da novela anterior da cris no canal - rebelde way - foi muito maior e ricon não superou. Só que a Cris estava se reaproximando da telefe.

Link to comment
Share on other sites

A versão romena foi gravada na Romênia mesmo. Um amigo meu conseguiu entrar em contato com a "Miki" deles e ela falou algumas coisas sobre a novela, enviou fotos e as músicas.

Eles tiveram umas 2 ou 3 músicas inéditas.

 

Em 2009 (ou 2010) o Kanal D reprisou a novela. Cheguei a ver alguns episódios e a produção era bem pobre.

 

 

Teve um musical teatral em Israel com elenco local. Lançaram CD, DVD e clipes

guFjFB0.jpg

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Recently Browsing   0 members

    • No registered users viewing this page.
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.