Jump to content



Carlos Eduardo

Membro
  • Posts

    28,788
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    10
  • Pontos

    46,882 [ Donate ]

Carlos Eduardo last won the day on January 22 2021

Carlos Eduardo had the most liked content!

About Carlos Eduardo

  • Birthday 12/12/1993

Contact Methods

  • Twitter
    carloscds1231
  • Instagram
    cecds123
  • Spotify
    cecds123
  • Last.fm
    Miudovskys

Profile Information

  • Localização
    Maceió
  • Interesses
    Em busca da felicidade

Recent Profile Visitors

16,781 profile views

Carlos Eduardo's Achievements

Enthusiast

Enthusiast (7/14)

  • Conversation Starter
  • Very Popular Rare
  • One Year In
  • One Year In
  • One Month Later

Recent Badges

12.4k

Reputation

1

Community Answers

  1. O Ode a ********* e ********* a gente esconde na fã base
  2. Tem uma reportagem da BBC perfeita explicando a situação: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-57863789 E é isso que "salva" Taiwan da China (pelo menos por enquanto)
  3. Enquanto isso, o verdadeiro presidente do Brasil:
  4. Vai fracassar e fazer o Trump voltar ao poder Parabéns Biden, vc é um mico ambulante
  5. Talvez pq realmente não sejam? Biden muito fracasso bicho
  6. Dias depois do Doria falar de passaporte da vacina... A cara do Bolsonaro nem arde
  7. Parabéns ao Kadu pela premiação Obrigado a todos que votaram em mim e ao Cupertino felicitações pela vitória
  8. O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,1% no 3º trimestre de 2021, na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando a entrada do país em uma nova recessão técnica, segundo divulgou nesta quinta-feira (2) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a igual período de 2020, o PIB cresceu 4%. O resultado do 2º trimestre foi revisado para uma queda de -0,4%, resultado pior do que a leitura inicial de queda de -0,1%. A recessão técnica é caracteriza por dois trimestre seguidos de retração. Os dados oficiais reforçam a leitura de forte desaceleração da recuperação após o PIB ter conseguido retomar no início do ano o patamar pré-pandemia. O IBGE também revisou o resultado da alta do PIB do 1º trimestre do ano, de 1,2% para 1,3%. Apesar da alta de 1,1% nos serviços, que respondem por mais de 70% do PIB nacional, a queda no 3º trimestre foi pressionada para baixo por conta da queda de 8% na agropecuária e também pela queda de 9,8% nas exportações de bens e serviços. Já a indústria ficou estagnada. Segundo o IBGE, o forte recuo na agropecuária foi consequência do encerramento da safra de soja, que também acabou impactando as exportações. Pela ótica da despesa, os investimentos tiveram queda de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Já o consumo das famílias teve expansão de 0,9% e a despesa de consumo do governo cresceu 0,8%. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e é o principal indicador usado para medir a evolução da economia. A economia brasileira vem perdendo o ímpeto mesmo com a reabertura do setor de serviços e fim de boa parte das medidas restritivas lançadas no país para frear o avanço da Covid-19 desde o começo do ano passado. Desde setembro, as projeções para a economia têm sido revisadas continuamente para baixo, em meio à disparada da inflação e aumento das incertezas fiscais após as manobras do governo para driblar o teto de gastos e abrir espaço no Orçamento no ano eleitoral de 2022. As preocupações com a saúde das contas públicas, o desemprego ainda elevado e a elevação em ritmo acelerado da taxa básica de juros para conter a inflação vêm provocando uma redução da confiança de empresários e consumidores. Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC), a inadimplência subiu em novembro, para o maior patamar do ano, com 26,1% das famílias relatando ter dívidas ou contas em atraso. A média atual das projeções do mercado financeiro apontam para alta de 4,78% do PIB em 2021 e de 0,58% em 2022, bem abaixo da média global e a pior perspectiva entre os países do G20. E parte dos analistas apontam para o risco de retração no ano que vem. A inflação deve fechar o ano acima de 10% e a projeção para o IPCA de 2022 foi elevada para 5% – no limite do teto da meta do governo, de acordo com o último boletim Focus do Banco Central. Já para a Selic, a previsão é que ela suba na próxima semana a 9,25% ao ano, chegando a 11,25% ao ano em 2022. Vale lembrar a taxa básica de juros abriu o ano na mínima histórica de 2% ao ano. Em 2020, no primeiro ano da pandemia, a economia brasileira registrou um tombo de 3,9%, segundo dados revisados divulgados nesta quinta. https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/12/02/pib-cai-01percent-no-3o-trimestre.ghtml
  9. Ao longo dos últimos dias, alguns desses senadores disseram aos cabos eleitorais de Mendonça que, se Lula não fizesse objeção, poderiam até votar a favor do ex-ministro. Daí a iniciativa de procurar o petista – e a comemoração entre essas lideranças pelo fato de Lula ter sinalizado que não fará nada para atrapalhar Mendonça, o que obviamente não significa necessariamente que os petistas votarão a favor dele. O cálculo de Lula é simples: se não interessa ao PT ajudar o “terrivelmente evangélico” de Bolsonaro, fazer campanha contra tampouco contribuirá com a candidatura do petista à presidência da República. Em 2018, os evangélicos foram fundamentais na eleição de Jair Bolsonaro, que com a indicação de Mendonça pretende garantir a fidelidade desse público. Para 2022, as pesquisas mostram que eles estão divididos entre Lula e Bolsonaro. E na “guerra santa” em que se transformou o embate em torno da ida de André Mendonça para o Supremo, os evangélicos estão documentando e contabilizando cada promessa de voto, cada apoio público e cada gesto contrário. https://blogs.oglobo.globo.com/malu-gaspar/post/lula-prometeu-evangelicos-nao-trabalhar-contra-andre-mendonca-no-senado.html
  10. SPOTIFY WW #1 Taylor Swift #2 Ariana Grande #3 Olivia Rodrigo #4 Dua Lipa #5 Doja Cat #6 Billie Eilish #7 Rihanna #8 Lady Gaga #9 Karol G #10 Adele #11 Halsey #12 SZA #13 Sia #14 Miley Cyrus #15 Nicki Minaj #16 Megah Thee Stallion #17 Lana del Rey #18 Selena Gomez #19 Katy Perry #20 Beyoncé #21 Cardi B #22 Shakira #23 P!nk #24 Camila Cabello #25 Ava Max #26 Maria Becerra #27 Britney Spears #28 Kali Uchis #29 Tate McRae #30 Marília Mendonça #31 Becky G #32 Anne-Marie #33 Bebe Rexha #34 Lorde #35 ROSALÍA #36 Natti Natasha #37 Melanie Martinez #38 Ellie Goulding #39 Julia Michaels #40 Mitski #41 Saweetie #42 Summer Walker #43 Anitta #44 Mariah Carey #45 YOASOBI #46 Tones And I #47 TINI #48 Alicia Keys #49 Clairo #50 Whitney Houston SPOTIFY BRASIL #1 Marília Mendonça #2 Maiara & Maraísa #3 Luísa Sonza #4 Ludmilla #5 Ariana Grande #6 Anitta #7 Dua Lipa #8 Taylor Swift #9 ANAVITÓRIA #10 Olivia Rodrigo #11 Billie Eilish #12 Doja Cat #13 Lady Gaga #14 Simone & Simaria #15 Rihanna #16 Beyoncé #17 Mc Danny #18 Giulia Be #19 Iza #20 Cynthia Luz #21 Lourena #22 Miley Cyrus #23 Lauana Prado #24 Lana del Rey #25 Katy Perry #26 Gabriela Rocha #27 Sia #28 Malu #29 Demi Lovato #30 Azzy #31 Mari Fernandez #32 Selena Gomez #33 Marisa Monte #34 Rita Lee #35 Duda Beat #36 BLACKPINK #37 Halsey #38 Mc Drika #39 Shakira #40 Brisa Star #41 Yasmin Santos #42 Adele #43 Ivete Sangalo #44 Cardi B #45 Isadora Pompeo #46 Camila Cabello #47 Cássia Eller #48 Aline Barros #49 Japinha Conde #50 Megan Thee Stallion
  11. Ministros mantêm foro privilegiado de Flávio Bolsonaro e anulam relatórios do Coaf, fundamentais para as investigações. Senador é acusado de tomar parte dos salários de seus funcionários quando era deputado estadual. A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou por 3 votos a 1 nesta terça-feira (30/11) uma ação do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) sobre o chamado caso das "rachadinhas” e manteve o foro privilegiado do senador Flávio Bolsonaro. Os ministros ainda anularam quatro dos cinco relatórios de movimentações financeiras do filho do presidente Jair Bolsonaro, que serviam de base para as investigações dos promotores. Flávio Bolsonaro foi denunciado pelo MP-RJ sob acusação de ter enriquecido ao se apropriar de salários de funcionários quando atuava como deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Os promotores afirmam que o senador teria tomado parte em um desvio de mais de 6 milhões de reais. Carlos Bolsonaro, irmão de Flávio, e o pai, Jair Bolsonaro, também já foram acusados de implementar esquemas de rachadinha em seus gabinetes legislativos. Foro privilegiado Em junho de 2020, a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio decidiu pelo reconhecimento do direito ao foro privilegiado, uma vez que Flávio exercia o mandato de deputado estadual na época da denúncia. O juiz de primeira instância Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, que era o responsável pela ação, vinha tomando decisões contrárias ao senador, como ao ordenar as quebras de sigilo e a prisão do ex-funcionário da Alerj Fabrício Queiroz, acusado de ser o operador do esquema das "rachadinhas”. Com a decisão desta terça-feira, Itabaiana fica definitivamente afastado do caso, que terá de ser analisado em segunda instância no Órgão Especial do TJ-RJ. Os ministros da Segunda Turma julgaram dois processos. Na primeira parte da sessão eles rejeitaram por 3 votos a 1 a ação do MP-RJ que pedia a anulação do foro privilegiado. Esvaziamento das investigações Mais tarde, foi acolhido um pedido da defesa do senador pela anulação de quatro relatórios de inteligência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Foram mantidos apenas os registros da primeira comunicação entre o Coaf e o MP, que contém somente os dados básicos das operações financeiras. Votaram a favor de Flávio Bolsonaro nos dois processos os ministros Kassio Nunes Marques, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Edson Fachin foi o único voto contrário. Os relatórios e os dados obtidos com a quebra do sigilo eram considerados essenciais para a investigação. A decisão de anular os documentos faz com que o caso praticamente volte à estaca zero. STJ anulou decisões da 1ª instância O MP-RJ recorreu ao STF por entender que a decisão de reconhecer o foro privilegiado contrariou entendimento do STF que restringia esse privilégio a casos que tivessem relação com o mandato ou com o exercício do cargo. Os investigadores acreditam que há jurisprudência em tribunais superiores que estabelecem que o foro termina com o final do mandato. Como Flávio Bolsonaro não era mais deputado estadual, o caso deveria ter continuado na primeira instância. No início do mês, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou as decisões da primeira instância da Justiça do Rio de Janeiro envolvendo as investigações sobre o suposto esquema de "rachadinha". Mais tarde, o tribunal decidiu que a investigação apenas poderia avançar se houvesse uma nova denúncia. A maioria dos ministros da Segunda Turma do STF avaliou que a ação apresentada pelo MP-RJ era incabível, uma vez que os promotores perderam o prazo para recorrer ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Os três ministros entenderam não houve a violação das regras fixadas pelo STF. https://www.dw.com/pt-br/2ª-turma-do-stf-anula-provas-no-caso-das-rachadinhas/a-59982966
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.