Jump to content
×
×
  • Create New...


Bolsonaro lidera corrida para 2022, diz revista Veja


Recommended Posts

  • VIP Premium Special

O governo Jair Bolsonaro passou nos últimos três meses por uma tempestade política perfeita. À crise inaugurada pela pandemia do novo coronavírus, menosprezada pelo presidente desde o início, somaram-se a conturbada demissão de seu ministro mais popular, Sergio Moro, duas trocas no Ministério da Saúde, a abertura de um inquérito para apurar interferência política na Polícia Federal, a divulgação em vídeo de uma escabrosa reunião de seu gabinete, o cerco a bolsonaristas radicais em duas investigações do Supremo, a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), em uma casa do advogado de Bolsonaro, o diagnóstico de Covid-19 do chefe do Executivo e o saldo nefasto de mais de 80 000 mortos pela doença. Mesmo em meio a dificuldades sérias, que poderiam estraçalhar a popularidade de inúmeros políticos, Bolsonaro segue firme, mostrando mais uma vez que é um fenômeno político. Se a disputa presidencial fosse hoje, ele seria reeleito.

 

Essa é uma das principais conclusões de um levantamento exclusivo realizado pelo instituto Paraná Pesquisas entre os dias 18 e 21 de julho. Mesmo sendo um mandatário controverso à frente de um país dividido em relação ao seu governo, Bolsonaro lidera todos os cenários de primeiro turno — com porcentuais que vão de 27,5% a 30,7% — e derrotaria os seis potenciais adversários em um segundo round da corrida ao Planalto em 2022: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-­prefeito Fernando Haddad (PT), o ex-­governador Ciro Gomes (PDT), o ex-­ministro Sergio Moro, o governador paulista João Doria (PSDB) e o apresentador Luciano Huck. Um feito impressionante, considerando-se que, segundo a mesma pesquisa, 48,1% dos brasileiros desaprovam a sua gestão (eram 51,7% no fim de abril) e 38% consideram ruim ou péssimo o seu trabalho (eram 39,4%). Comparada a um levantamento anterior da Paraná Pesquisas, de três meses atrás, a aprovação oscilou positivamente de 44% para 47,1%, enquanto o contingente que considera seu mandato ótimo ou bom foi de 31,8% para 34,3%, variação acima da margem de erro de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.

 

A eleição de 2022 ainda está distante, mas chama atenção a capacidade de resistência do presidente. Os constantes solavancos políticos e as lambanças em série na condução da pandemia não colaram nele a ponto de erodirem a sua mais fiel base de apoio, de cerca de 30% dos eleitores — número que é considerado até por adversários como freio a um processo de impeachment (há dezenas deles nas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia). Na visão de especialistas, Bolsonaro conseguiu escapar à lógica de que sucumbiria às crises por dois motivos: o auxílio emergencial, que amenizou efeitos econômicos da pandemia em uma população indiferente às confusões de Brasília, e a atitude mais comedida do presidente nos últimos tempos, especialmente após a escalada de tensão com o Supremo. Seu filho e senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse ao jornal O Globo, na quarta-feira 22, que a “postura de distensionamento” será permanente. “Desde que percebeu que o conflito com o STF era perigoso, o presidente recuou, ficou quieto, parou de dar declarações bombásticas. Para uma parte dos eleitores que o apoiam, mas eram críticos ao desempenho, a postura de Bolsonaro paz e amor ajuda a melhorar a avaliação”, diz o cientista político José Álvaro Moisés, da USP. “Bolsonaro volta a subir principalmente com o auxílio de 600 reais, que passou a chegar a mais gente. Com o fator bolso, a crise política fica menor. Lula, na época do mensalão, era um herói, porque o bolso estava cheio”, avalia Murilo Hidalgo, diretor do Paraná Pesquisas. Com os bolsonaristas já cativos, o governo busca justamente o “fator bolso” e a expansão de programas sociais para diversificar a sua base eleitoral. A pesquisa mostra que melhoraram os índices de avaliação no Nordeste, uma cidadela petista e lulista. Os nordestinos ainda são os brasileiros menos afeitos ao presidente, porém os que desaprovam o governo caíram de 66,1% para 56,8% entre abril e julho e os que aprovam subiram de 30,3% para 39,4%.

 

pesquisa-lixo2.jpg

 

pesquisa-lixo.jpg

 

Fonte: https://veja.abril.com.br/politica/pesquisa-exclusiva-bolsonaro-e-o-favorito-da-corrida-eleitoral-em-2022/

 

Link to post
Share on other sites


  • Replies 39
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

A Veja que nomeou as fotos como pesquisa lixo?    Abri as imagens e apareceu assim no link:   "https://veja.abril.com.br/wp-content/uploads/2020/07/pesquisa-lixo2.jpg"

Auxilio Emergencial ne gente..E é importante a gente saber ponderar e não julgar. Julgar de barriga cheia é muito fácil.   O auxilio é de 600, o Bolsa Família é 90. Vai perguntar lá no inter

O governo Jair Bolsonaro passou nos últimos três meses por uma tempestade política perfeita. À crise inaugurada pela pandemia do novo coronavírus, menosprezada pelo presidente desde o início, somaram-

Claramente o PT perdeu eleitores para o Bozo por conta do auxílio emergencial 

Essa pesquisa não pode ser analisada com a precisão necessária devido ao mesmo

Quando o auxílio acabar e o Renda Brasil chegar apenas a uma pequena parcela dos ex-beneficiários do Auxílio, podem fazer uma nova pesquisa, mais confiável

 

E o que eu sempre digo, quem vai chegar no segundo turno contra o Bozo (se este chegar lá) é o Moro...

 

 

Link to post
Share on other sites

Vai acontecer o que projeto, a tendencia são as coisas melhorarem a partir de 2021, e o Bozo pode subir ainda mais; resta saber quem irá pro segundo turno com ele; Moro segue muito bem, esperava até uma queda maior com a subida do Bozo. 

 

Hoje da pra cravar uma reeleição dele, a menos que um fato muito grave aconteça, o que é pouco provável.

Link to post
Share on other sites

Se isso se mantiver, temos uma grande chance de segundo turno sem o PT, se confirmarem esses candidatos, Sergio Moro, Huck, Ciro (especialmente no nordeste) tiram votos preciosos do PT; além do Bozo que já vem fazendo isso.

Link to post
Share on other sites

Gente, pesquisa 2 anos antes da eleição não serve de nada kkkk aquietem o rabo de vocês. Não sabemos o futuro. Ele pode melhorar ou não. Muita coisa tá pra acontecer e sair ainda.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, ALF disse:

Vai acontecer o que projeto, a tendencia são as coisas melhorarem a partir de 2021, e o Bozo pode subir ainda mais; resta saber quem irá pro segundo turno com ele; Moro segue muito bem, esperava até uma queda maior com a subida do Bozo. 

 

Hoje da pra cravar uma reeleição dele, a menos que um fato muito grave aconteça, o que é pouco provável.

Fico imaginando que fato grave seria esse. Ando tão descrente que acho que mesmo ele matando alguém, ainda teria essa base fiel aí.

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.






Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.