Jump to content


Felipe Daniel

Membro
  • Content Count

    52
  • Joined

  • Last visited

  • Pontos

    157 [ Donate ]

Community Reputation

10 Neutro

Profile Information

  • Sexo
    Prefiro não revelar

Recent Profile Visitors

1,654 profile views
  1. As duas são boas. Mas votei no Jota Quest, por ser fã da banda. As músicas são tão boas, que não entendo como alguém pode ser Hater deles.
  2. Parece ser bom ator. Ele deve estar muito contente com essa escalação para a nova novela das 7.
  3. Ah sim, entendi. Obrigado pelo seu esclarecimento. Já achei ela.
  4. Não identifiquei a atriz recém saída de O Outro Lado do Paraíso. Qual o nome da atriz?
  5. Eu acho o Celso Portiolli, perfeito para o formato. Queria ele nesse programa. No" Comprar é bom, levar é melhor" ele tem muita desenvoltura, além de ser ótimo em game show.
  6. Uma grande perda. Foi um grande ícone do humor. Deixou um grande legado. Meus sentimentos a família.
  7. Em emocionante entrevista ao 'Programa do Porchat', Jô Soares abriu o coração e 'passou o bastão' ao menino que ele revelou na TV Jô Soares e Porchat se emocionaram em entrevista histórica Divulgação Em 2016, quando Jô Soares anunciou que iria parar de fazer seu programa de entrevistas na Globo, a pergunta era: 'Quem será o substituto de Jô?' Despontavam ali Fábio Porchat, estreando na RecordTV, Pedro Bial, ocupando oficialmente a vaga de Jô na Globo e Danilo Gentili, já na batalha no SBT. Por cavalheirismo ou contrato, Jô foi primeiramente ao programa do novo inquilino no horário, Pedro Bial. Deu uma linda entrevista ao jornalista, livrando-o do estigma de 'ladrão' da vaga. Mas, só dois anos depois, mais precisamente ontem (18), Jô Soares passou o bastão. E o fez com Fábio Porchat, menino que ele 'revelou' aos 18 anos em seu programa na Globo, ao dar uma oportunidade ao então jovem estudante de marketing fazer uma 'apresentação' de última hora na TV. Naquele momento, Jô não só aceitou o bilhetinho do Porchat pedindo uma cancha no ar, como lhe mostrou o mar. Nasceu ali, como o próprio contou, o Fábio Porchat roteirista, humorista, ator, apresentador, showman. Ao ver o cara que lhe abriu a 'porta da esperança' há quase duas décadas sentado ali, para ser entrevistado em seu programa, Porchat desmontou. O filme que passou em sua cabeça era intenso, real e com final feliz. Acostumado a fazer rir, o humorista fez o público chorar. Chorou sem vergonha, com direito a gagueira e pedido de desculpas por se descontrolar no ar. Poucas vezes o choro de um artista vem assim, da alma, sem sensacionalismo barato, sem forçação de barra. Era o choro de um menino. Jô estava em casa. Falando palavrões, contando causos e casos da vida pessoal, da carreira, de amigos, revelando planos para o futuro. Brincou com a plateia como fazia em seu programa. Tocou com a banda do programa como fez por anos com o Sexteto. Quem fechasse os olhos poderia até ouvir a risada do Bira. Porchat deixou o mestre prosear. Interrompeu poucas vezes as histórias que o 'professor' contou com riqueza de detalhes de uma biografia. Jô falou de política, imitou o Lula, contou peripécias que fez ao lado de Golias e Carlos Alberto de Nóbrega, das desavenças com Chico Anysio. Falou das ex-mulheres, da mãe... Se emocionou ao lembrar dos horrores da ditadura. Demonstrou a gratidão genuína que tem por Silvio Santos e pela Record, onde começou na TV, na genial "Família Trapo". Em momento 'coração quentinho' da gravação no início da semana , Porchat chamou o humorista Paulo Vieira, que divide o palco com ele, para ser 'entrevistado' por Jô. Minutos antes de Jô Soares chegar, Paulo havia lamentado que não teria mais a chance de ser entrevistado pelo melhor de todos. Afinal, o "Programa do Jô" acabou. O humorista que veio lá do Tocantins chorou ao se sentar ao lado de Jô, que generosamente topou a brincadeira, e fez algumas perguntas. Nos bastidores, câmeras e produtores enxugavam as lágrimas. Era o Paulo, o moço simplão e talentoso tão amado por todos do programa que estava lá, sendo 'entrevistado' pelo Jô. Haviam 'sacaneado' ele pedindo para se arrumar mais 'chique' no dia, colocar uma lapela para ver o Jô. Paulo nem imaginava a surpresa. Até quem sabia chorou. Era a 'equipe' incluída na volta 'com emoção' da grande atração do Parque do Porchat. A audiência foi boa, com prévia de 4,7 pontos. E hoje (19) tem mais uma parte do papo, que durou mais de duas horas com tudo isso e muito mais. Vale ver o que não foi só uma entrevista especial. Foi a prova que esse mundão dá voltas gratificantes. E gratidão não pode ser cobrada. Mas dá para medir o quão feliz é um homem pela profundidade de sua gratidão. O estudante do 'bilhetinho' disse que aquele era o 'dia mais importante' de sua vida. Ao término do programa, Jô deu um abraço forte no menino Porchat e disse para quem quisesse ouvir: "É por isso que não faço mais programa. Agora tem ele...". Se isso não é passagem de bastão, não sei o que é. Agora é pegar o bastão e: "Run Porchat, run!" https://diversao.r7.com/prisma/keila-jimenez/entrevista-de-jo-foi-passagem-de-bastao-para-porchat-19042018
  8. Invocação do Mal, Viagem ao Centro da Terra, Olga, O Menino do Pijama Listrado, O Pagador de Promessas, Tempos Modernos, Um Grito de Socorro e Mandela: O Caminho para a Liberdade. Tem mais alguns outros, que não lembro.
  9. Apresentador do 'Bom Dia SP' posa nos bastidores do telejornal e fala da rotina. Em dias de folga, ele 'dorme até acordar', mas só até as 8h! Bárbara Vieira Do EGO, em São Paulo Rodrigo Bocardi posa no cenário do telejornal 'Bom Dia SP' (Foto: Celso Tavares/EGO) Rodrigo Bocardi, de 41 anos, acorda todos os dias às 4h para apresentar o "Bom Dia SP" e emendar com o "Bom dia Brasil", que vai até as 8h30. Esbanjando bom humor às 5h, horário em que chega à Globo, na Zona Sul de São Paulo, o apresentador recebeu a equipe do EGO, falou sobre sua rotina e posou nos bastidores. Dono do bordão "Dormir até acordar", Bocardi, porém, não consegue dormir até tarde nos dias de folga. "Quando posso dormir até acordar, vou até as 8h", conta ele. Som de praia na hora da maquiagem Assim que chega à redação, Bocardi grava as vinhetas e chamadas que entram no telejornal "Hora 1", depois checa as notícias no computador, enquanto toma café da manhã. "Tomo um energético por dia. Me dizem que sou louco, que vou passar mal e morrer, mas o dono da fábrica de energéticos está rico e dizem que ele bebe sete por dia", brinca o jornalista. O café da manhã também inclui um pãozinho, um bolinho de chocolate e uma banana, que ele come de lanche em um intervalo do telejornal. Rodrigo Bocardi lê as notícias ao chegar à redação (Foto: Celso Tavares/EGO) Na sequência, Bocardi vai para a sala de maquiagem. Gil Fernandes, maquiador do jornalista, já o espera com o som da TV baixo e, ao fundo, surf music. "É uma excentricidade dele. Já coloco para esperá-lo, é o seu momento de relaxamento", entrega o profissional. "Isso quando é possível ter música porque tem uns cabelos ruins aí que precisam de secador, né?", diz Bocardi, brincando com a colega Glória Vanique, que está sendo maquiada e penteada ao lado. "Fala a verdade se não é bom, você se projeta para uma praia, o som do mar... Bom demais, fala sério", diz ele, recostado na cadeira de maquiagem. Bocardi é maquiado na companhia da colega, Glória Vanique (ao fundo) (Foto: Celso Tavares/EGO) 'TV te deixa menor e mais gordo' Apesar do sucesso nas redes sociais, Bocardi rejeita o título de galã. "Isso é coisa da televisão, só porque você está lá. Mas a televisão te deixa menor do que você é e mais gordo", diz ele, bem-humorado. Bocardi, porém, gosta de acompanhar as redes sociais. "É uma satisfação para quem me segue e é um retorno imediato. Acho que você consegue fazer um bom filtro e tirar coisas boas. Recebo críticas e elogios, mas não sou superativo, eu tiro mais do que eu coloco", diz ele. Bilhetinho que a filha de Bocardi deixou para o pai (Foto: Celso Tavares/EGO) Depois da maquiagem, Bocardi segue para o estúdio de onde é transmitido ao vivo o telejornal. A rotina vai até as 11h. Durante a semana, Bocardi gosta de jogar tênis todos os dias e encontra pessoas envolvidas no "Bom Dia SP" e fontes. "O bom desse horário é que consigo ficar muito com meus filhos a partir do horário que eles chegam da escola. É uma recompensa por essa dificuldade de acordar tão cedo", diz. Bocardi veste o terno ainda na sala de maquiagem (Foto: Celso Tavares/EGO) "Faço bastante carinho neles, depois brigo para me deixarem dormir. Vai todo mundo para o meu quarto e depois tenho que brigar para sair", diz ele, que tem que dormir cedo. "Preciso de oito horas diárias de sono, então teria que dormir às 20h, mas não consigo, acabo indo dormir às 22h. Para a vida social, tenho duas noites por semana apenas, mas às vezes abro uma exceção", confessa ele, que já se acostumou com o horário. "Sem despertador, acordo no horário. Não que eu não precise de despertador, né?", diz ele, que está à frente do "Bom Dia SP" há três anos e dez meses. 'Jornal Nacional é prestígio'Bocardi brinca com Chico Pinheiro (Foto: Celso Tavares/EGO) Há seis anos, Bocardi cobre férias de Chico Pinheiro no "Bom Dia Brasil" e, uma vez por mês, apresenta o "Jornal Nacional" aos sábados. "Acho que é um prestigio, né? Sempre foi o principal telejornal do país, é importante estar ali. E algo bem diferente do que faço todos os dias aqui", compara ele. Apesar da rotina pesada, Bocardi não esconde que ama o que faz. Rodrigo Bocardi posa nos bastidores da apresentação do 'Bom Dia SP' (Foto: Celso Tavares/EGO) "No começo, quando recebi esse convite, pensei: 'Não é possível que isso esteja acontecendo comigo, não pode ser outra pessoa?'. Mas hoje tenho certeza de que foi a melhor coisa que aconteceu, aprendi muito. Foi possível fazer muita mudança em termos de apresentação e de linguagem de telejornal. O resultado da audiência e do público é muito positivo. Talvez em outro horário eu não teria nada disso em termos de aprendizado e modernidade em linguagem de televisão. Esse horário me despertou um fascínio. Sou vidrado nisso de pensar em novas linguagens, em aprender a olhar lá na frente e pensar no que vai ser o futuro da profissão. Nesse sentido, esse telejornal foi um presente para mim". Rodrigo Bocardi posa nos bastidores da apresentação do 'Bom Dia SP' (Foto: Celso Tavares/EGO) http://ego.globo.com/televisao/noticia/2017/02/rodrigo-bocardi-rejeita-o-titulo-de-gala-isso-e-coisa-da-televisao.html
  10. Muito triste. Não esperava de verdade a morte dele, achava que teria um milagre. Mas enfim, meus sentimentos a família, o país perde um excelente jornalista.
  11. Parabéns. Deus abençoe com mais anos de vida para ela.
  12. Descanse em paz. Meus sentimentos a família.
  13. Muito triste. Eu tinha sugerido com a minha mãe, quando ele estava vivo para fazer o quadro meu vídeo é um show. Foi um grande ator, meus sentimentos a família.
  14. Jô Soares gravou nesta segunda-feira, 28, em São Paulo, o primeiro programa da última temporada. Na entrada do talk show, o apresentador agradeceu a todos de sua equipe e revelou que estava nervoso. Jô Soares e Marina (Foto: Celso Tavares/EGO) "Estou nervoso, é um prazer estar com vocês aqui, com vocês em casa e com o quarteto, que me acompanha há tanto tempo desde que o Bira era criança", brincou. "Agradeço a equipe técnica que demonstra gostar de fazer esse programa. Esse reencontro me dá alegria e estou obviamente emocionado. Quando assinei contrato para mais dois anos eu disse que podia tudo, menos ficar sem a plateia, que dá vida ao programa", explicou. O primeiro vai ao ar nesta segunda, logo após o Jornal da Globo, e terá como convidados Maria Silva, clarinetista Ubaldo Versolato e o jurista Ives Gandra Martins. Segundo Jô, foram 14.138 entrevistas ao longo de 28 anos de programa - entre 'Jô Soares Onze e Meia', no SBT, e 'Programa do Jô', na Globo. Jô Soares (Foto: Celso Tavares/EGO) http://ego.globo.com/famosos/noticia/2016/03/emocionado-jo-soares-grava-primeiro-programa-da-ultima-temporada.html


×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.