Jump to content


Rated R

Membro
  • Content Count

    255
  • Joined

  • Last visited

  • Pontos

    25 [ Donate ]

Community Reputation

90 Iniciante

About Rated R

  • Rank
    Calouro
  • Birthday 06/30/1988

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Eu falei a respeito do M. M. Filho (que dirigiu O Astro), e não do M. Garcia. O M. M. Filho não fez cinema, até o momento. Meu comentário foi a respeito dessa dúvida, levantada em um dos primeiros comentários do tópico. Já o M. Garcia lançou o primeiro longa dele em 2010, mas antes disso dirigiu um curta, lançado em 2009, e que deve ter sido filmado um ou dois anos antes, enquanto estava na Record.
  2. Esse diretor não fez cinema, até o momento. E pelas matérias divulgadas, ela nem chegou a fazer o tal filme citado, toda a violência ocorreu no período dos testes.
  3. Arthur Fortuna, Dodi e Ariclenes, uma trinca de sonho para qualquer ator.
  4. Sheila, de História de Amor, e Marta, de Páginas da Vida. A Sheila, por tirar a Lília da categoria de personagens cômicos a que ela foi relegada desde a estreia na televisão. E Marta, por dar a ela o reconhecimento e a consagração, sendo promovida a atriz do primeiro time. Apesar dos péssimos papéis que o Aguinaldo Silva entregou a ela nesta última década, é uma das nossas maiores atrizes atualmente.
  5. Em Sete Pecados, Mariana esteve cotada para viver a Beatriz, e a Flávia, a Clarice. Mariana recusou a Bebel de Paraíso Tropical e a Beatriz de Sete Pecados, por conta do pedido de férias que fez para a Globo. Afinal, ela praticamente emendou Chocolate com Pimenta, América, JK e Cobras e Lagartos. Ela iria fazer a Silvia de Duas Caras, e estava previamente escalada (seria o inverso de Cobras, pois Mariana desta vez viveria a vilã, e Carolina Dieckmann a mocinha. Carolina não fez o papel, porque engravidou). Mas ocorreu outra negociação com a Globo, e Mariana conseguiu estender o período de férias, indo parar no elenco de A Favorita, trocando de novela com a Alinne Moraes (Alinne tinha sido escalada para a Lara, depois da recusa de Priscila Fantin para o papel, por conta de Sete Pecados). Depois de fazer uma participação afetiva em Paraíso Tropical (por consideração ao convite do Gilberto), ela então foi viver a Lara, e Alinne assumiu sua personagem em Duas Caras. Já a Priscila, além da recusa em A Favorita e Caras e Bocas, declinou de um papel em Caminho das Índias (não sei dizer qual), além de ter sido convidada para viver a Nelinha em Tempos Modernos, depois que Carolina Dieckmann recusou a mesma personagem (mas Priscila pediu à direção para viver a Nara). Teve também a recusa em fazer Morde e Assopra, que levou Walcyr Carrasco a "brigar" com ela por um tempo.
  6. Um dos maiores letristas e poetas da história da música, não apenas brasileira. Tanto a obra dele, como a do Renato Russo, já podem ser consideradas imortais.
  7. Matéria com um erro GRANDE de informação. Não foi o primeiro casal gay a ser retratado com naturalidade no horário nobre. Antes do Zeca e do Junior, existiu o Sandrinho e o Jefferson, de A Próxima Vítima. Sem contar os casais lésbicos, como os de Torre de Babel, Mulheres Apaixonadas e Senhora do Destino.
  8. Pode ser, porque se não me engano, faltavam poucos décimos para as duas tramas atingirem a casa dos 48 pontos.
  9. Explode Coração marcou 47 pontos de média, a mesma marca de A Próxima Vítima. A novela do Silvio de Abreu vence apenas por alguns décimos.
  10. O melhor de Esperança, além da direção belíssima do Luiz Fernando Carvalho, era o elenco maduro. Raul Cortez teve cenas belíssimas, assim como a Eva Wilma, Fernanda Montenegro, o Fagundes, Laura Cardoso, Araci Esteves... Ana Paula Arósio conseguiu se sobressair em meio aos problemas, assim como o casal vivido por Maria Fernanda Cândido e Nuno Lopes. E o Gianecchini e a Priscila Fantin, apesar de “crus”, melhoraram consideravelmente no decorrer da trama. Mas a novela, mesmo com todas as qualidades, era chata, arrastada, sonolenta e soturna. Pesou ainda o fato de ter substituído O Clone, que era mais solar e alegre, apesar de abordar temas pesados, e que todos sabem, foi um estouro de audiência. Lembro que assistia a novela de forma esparsa. Por ser adolescente na época, recordo que a trama não era nem um pouco atraente. Infelizmente, não foi uma trama memorável. Terra Nostra, mesmo com a queda de ritmo e qualidade do meio para o final, é infinitamente superior.
  11. Ainda sobre Malu Mader: ela foi convidada por Glória Perez para viver a principal antagonista de Caminho das Índias, uma personagem que infernizaria a vida da protagonista Maya ( Juliana Paes). Era uma personagem que constava na sinopse original da trama. A princípio, Malu já tinha aceitado participar, mas declinou do convite por conta do documentário "Contratempo", dirigido por ela e por Mini Kerti, que estava em processo de finalização. Nesse meio tempo, a Glória Perez fez algumas alterações na sinopse original, eliminou o papel da Malu, e transferiu algumas características da personagem para outra que não existia originalmente. Glória fez essa mudança devido à trama do personagem Tarso (Bruno Gagliasso), que sofria de esquizofrenia. Por conta desse tema, ela decidiu abordar também, sob o prisma das doenças mentais, a psicopatia, em contraponto ao personagem do Gagliasso. Com isso, nasceu a Yvone, vivida pela Letícia Sabatella. Mas o desenvolvimento inicial, que caberia à Malu, seria a de uma personagem brasileira, que se passaria por amiga de Maya, e teria um caso com Bahuan, personagem de Márcio Garcia, sendo o principal empecilho para a concretização do romance do casal. Esse plot da "amiga traiçoeira" foi utilizado por Glória como pano de fundo na abordagem da psicopatia, mas envolvendo Yvone, e os personagens de Debora Bloch e Alexandre Borges. Nesse caso, como o casal Bahuan e Maya acabou não empolgando o público, a recusa de Malu se transformou em sorte, porque a personagem dela perderia força na trama, devido à pouca receptividade dos espectadores com o casal central. O próprio Raj, vivido pelo Rodrigo Lombardi, seria quase um vilão, nos mesmos moldes do que foi o Said, em O Clone. Mas como a química com a Juliana Paes foi explosiva, o personagem passou de antagonista a principal mocinho da trama. Achei esses links que falam sobre essas questões, e isso foi noticiado em algumas revistas da época, incluindo a Minha Novela, no período em que A Favorita estava no ar: https://natelinha.uol.com.br/noticias/2008/06/15/malu-mader-sera-a-rival-de--juliana-paes-em-caminho-das-indias-14778.php https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/novelas/dez-anos-depois-autora-revela-segredo-sobre-personagem-de-caminho-das-indias-26415 No TV Pesquisa, da PUC Rio, também constam algumas informações da época. https://www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br/
  12. O Outro Lado do Paraíso. As duas novelas são absurdamente ruins, mas dentro da proposta da história, O Outro Lado foi mais "palatável". Amor à Vida só vale a pena por três capítulos: o de estreia, aquele em que Félix é desmascarado, e o capítulo final.
  13. Priscila foi convidada, depois que a Carolina Dieckmann recusou o papel. A Priscila pediu para fazer o papel de Nara, porque não queria encarar uma protagonista (por conta da depressão e das críticas que recebeu em Sete Pecados). A Vasconcellos assumiu. Na mesma novela, Glória Pires foi convidada para viver a protagonista Hélia, que ficou com a Eliane Giardini.
  14. Ainda em Duas Caras: Susana Vieira, Renata Sorrah e Marília Gabriela trocaram de papéis. Susana seria Célia Mara, Renata seria Guigui, e Marília viveria Branca. Aguinaldo mudou a escalação e Susana assumiu a Branca, Renata ficou com a Célia Mara, e Marília viveu Guigui.
  15. Em Duas Caras: Eduardo Moscovis e Carolina Dieckmann seriam os protagonistas Ferraço e Maria Paula, e Mariana Ximenes, a vilã Silvia. Moscovis recusou, Dieckmann engravidou e Mariana trocou de novela com Alinne Moraes. Priscila Fantin havia sido convidada para viver Lara em A Favorita, mas recusou por não querer emendar Sete Pecados com a novela do JEC (e por que enfrentou uma depressão durante as gravações de Sete, e que se estendeu por anos). Alinne Moraes então assumiu a personagem. Quando Dieckmann engravidou, Marjorie Estiano foi escalada para viver a Silvia, na trama do Aguinaldo, e Mariana foi convidada para viver Maria Paula. Mas a direção da Globo achou melhor inverter a ordem. Com isso, Estiano foi promovida a protagonista, Alinne assumiu a vilã, e Mariana foi viver Lara, na novela de JEC.


×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.