Jump to content


TV Manchete cobra R$ 27,8 milhões de Fittipaldi em ação movida há 25 anos


Fadokimi
 Share

Recommended Posts

Os administradores da massa falida da TV Manchete ainda esperam receber a indenização do processo vencido contra a empresa Fittipaldi Internacional Marketing, de Emerson Fittipaldi, por quebra de contrato nos direitos de transmissão da Fórmula Indy no Brasil. A extinta emissora carioca diz ter direito a receber R$ 27.872.332,00 do ex-piloto.

 

A ação foi transitada em julgado no ano passado (não cabe mais recurso) no Superior Tribunal de Justiça. Desde então, o caso está em fase de execução judicial. Na semana passada, a Justiça nomeou perito para avaliar um imóvel de Fittipaldi localizado na Avenida Rebouças, em São Paulo. A propriedade é alvo de penhora neste processo.

 

O UOL entrou em contato com o escritório jurídico que representa Emerson Fittipaldi no processo, mas ainda não obteve resposta.

A briga entre Fittipaldi e Manchete

Nos início dos anos 90, a Manchete firmou contrato com a Fittipaldi Internacional Marketing para exibição das temporadas de 1993, 1994 e 1995 da Fórmula Indy, com opção de renovação por mais três anos (1996, 1997 e 1998). No entanto, em janeiro de 1995, a Fittipaldi Internacional Marketing fechou acordo com o SBT para exibição daquela temporada da categoria.

 

Em 1995, a Manchete acionou a Justiça pedindo indenização por rompimento unilateral do vínculo. A emissora alegou que a empresa do então piloto não respeitou o contrato. Em junho de 1999, o Tribunal concluiu, em 1ª instância, que houve quebra contratual. A empresa de Fittipaldi foi condenada a pagar indenização por perdas, danos e lucros cessantes.

 

A multa foi calculada de acordo com a média do lucro líquido obtido pela TV Manchete nos calendários de 1993 a 1994, multiplicado por quatro (correspondente aos calendários de 1995 a 1998). Um perito nomeado pela Justiça calculou a indenização na época em R$ 2,3 milhões. Vinte cinco anos depois, o valor teria chegado a R$ 27.872.332,00, conforme cálculo recente feito pelo advogado da Manchete, José Luiz Taliberti.

 

Ao longo do processo, a defesa de Fittipaldi recorreu da decisão. No Superior Tribunal de Justiça, os advogados contestaram o cálculo dos peritos, mas a decisão da primeira instância foi mantida.

Fittipaldi reclamava da Manchete

No início da década de 90, a Manchete já enfrentava graves problemas financeiros, com dificuldades para pagar funcionários e prestadores de serviço. Fittipaldi estava descontente com o sinal via satélite enviado à TV para a exibição da Indy no Brasil. Todas as etapas de 1993 e 1994 ocorreram no exterior.

 

Segundo o processo, Fittipaldi entendia que a instabilidade no sinal internacional comprometia a relação da Indy com espectadores e patrocinadores. Em janeiro de 1995, a empresa de Fittipaldi enviou notificação extrajudicial para a Manchete apontando supostos descumprimentos contratuais cometidos pela emissora.

 

A Fittipaldi Marketing acusou a Manchete de cometer erros de transmissão, de não conceder os devidos espaços ao evento esportivo no canal e de repassar valor mínimo de lucro. A Justiça considerou que a notificação enviada pela Fittipaldi Marketing e que suas justificativas eram ineficazes para fins de dissolução de sociedade.

 

"Existia uma sociedade. Se a empresa [Fittipaldi Marketing] entendeu que houve falhas, o correto seria discutir com a emissora ou buscar a Justiça. Mas o que ocorreu foi que a empresa simplesmente saiu com contrato em vigência e assinou com outra emissora logo depois", declarou ao UOL o advogado José Luiz Taliberti, que representa a Manchete no processo. "A quebra do contrato causou enorme prejuízo à Manchete. A emissora tinha diversos acordos atrelados à transmissão da Indy", acrescentou o advogado.

Problemas na Justiça

O caso com a Manchete não é o único de Fittipaldi com a Justiça. O ex-piloto responde a pelo menos 145 processos abertos por credores, com dívidas que podem chegar a R$ 55 milhões, segundo informou o colunista do UOL Rogério Gentile.

 

Já a Manchete está falida e responde a centenas de processos judiciais. Em uma eventual quitação do débito no processo de Fittipaldi, o valor deverá ser utilizado para o pagamento de ações em que o extinto canal é réu.

Link to comment
Share on other sites

Agora, D.S. disse:

Uma coisa que nunca entendi foi porque o SBT mudou o nome da Fórmula Indy para Fórmula Mundial por um período. Será que tem a ver com isso?

Não. Era uma briga lá nos EUA mesmo. 

 

A Indy no Brasil teve seus melhores momentos nessa época do SBT... Depois só afundou e hoje nem na TV aberta tá mais. A última temporada esteve na Dazn e no Band Sports que fechou aos 45 do segundo tempo. A Indy hoje sofre do mesmo problema da F1, não ter brasileiros disputando a vitória e títulos, sim tem disputando, mas sem ter carros competitivos. 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

18 horas atrás, D.S. disse:

Uma coisa que nunca entendi foi porque o SBT mudou o nome da Fórmula Indy para Fórmula Mundial por um período. Será que tem a ver com isso?

Nos EUA teve uma divisão, em 1996 até 2008 teve duas Indys, a CART que é a que o SBT transmitia, e a IRL que é a que a Band transmitia, como a IRL tinha as 500 milhas de Indianapolis e era de lá que o nome Indy vinha, a CART mudou o nome aqui para Fórmula Mundial.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

  • Recently Browsing   0 members

    • No registered users viewing this page.
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.