Jump to content


Astor

Membro
  • Posts

    1,551
  • Joined

  • Last visited

  • Pontos

    359 [ Donate ]

2 Followers

About Astor

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

Astor's Achievements

Rookie

Rookie (2/14)

  • Dedicated
  • First post
  • Reacting Well
  • Conversation Starter
  • Week One Done

Recent Badges

439

Reputation

  1. Segundo Jornal da Noite, uma sobrinha apagou a postagem de que ele havia recebido alta e o hospital ainda não se manifestou.
  2. https://www.poder360.com.br/tag/newsletter-drive/ (conteúdo somente para assinantes)
  3. O Antagonista disse que Douglas desentendeu com Menin, mas não deu maiores detalhes. https://www.oantagonista.com/entretenimento/douglas-tavolaro-deixa-o-comando-da-cnn-brasil/
  4. O Luis Nassif fez uma outra coluna bem mais centrada sobre esse mrsmo assunto. "Voltaram os boatos sobre a venda das Organizações Globo. Nos próximos dias será divulgado seu balanço, com prováveis resultados péssimos. E os boatos devem aumentar. Mas não aposte todas suas fichas na informação de que a Globo será vendida para a JBS, intermediada pelo BTG Pactual. É uma das possibilidades, conforme informações que me foram passadas pelos autores da reportagem. O mais provável será buscar alguma parceria em tecnologia. A parceira mais habilitada parece ser a Comcast, que controla a NBC Universal. Mas não afaste da cena Carlos Slim. A Comcast ganhou expressão como provedora de vídeo, Internet de alta velocidade e telefonia nos EUA. Depois, tornou-se um dos supergrupos que surgiram nas últimas décadas, a partir de empresas de telefonia adquirindo grupos de entretenimento. Ela controla a rede NBC, os estúdios de cinema Universal, a partir de empreendimentos pioneiros, iniciados no início do século 20. A NBC fundou a primeira rede de rádio do país em 1926.  Em 2002 deu início ao seu segundo avanço sobre países de língua espanhola, ao adquirir a Telemundo, tornando-se a segundo maior emissora em língua espanhola nos EUA. Em janeiro de 2011, a Comcast adquiriu o controle da NBCUniversal. Seguiram-se os lançamentos das várias marcas jornalísticas, para esportes, finanças e outras mais. Tornou-se a segunda maior empresa de radiodifusão e televisão a cabo do mundo, perdendo apenas para a AT&T; a maior empresa de TV a cabo e maior provedor de serviços de Internet doméstico nos EUA. Tem controle familiar, e é conhecida por seu poder de lobby sobre o Congresso americano. Tem sociedade com a Globo nos canais Telecine, distribuídos pelas empresas de telefonia. E conteúdos capazes de rivalizar com os grandes provedores globais de filmes sob demanda. A parceria – ou aquisição do controle – com a Globo lhe interessaria. E consolidaria o destino manifesto da Globo – que a família Marinho relutou em aceitar – de se transformar apenas em um grande provedor de conteúdo para países e comunidades de língua portuguesa. Atualmente, ambos os grupos mantém uma parceria nos canais Teletime, distribuídos pelas empresas a cabo. Para a Globo seria o porto seguro, em um momento em que está enfrentando uma brava crise econômica, gastando suas reservas financeiras, e tornou-se politicamente vulnerável depois da prepotência de pretender comandar o Brasil. Dependendo da maneira como o negócio for fechado, talvez seja hora de se avançar em normas de regulação da mídia, com leis anti-cartelização e proibição de proselitismo político." https://jornalggn.com.br/editoria/politica/os-rumores-sobre-a-venda-da-globo-por-luis-nassif/
  5. E ainda tem gente que é contra a abertura do capital a estrangeiros aqui no Brasil....
  6. Apesar de envolver outras variáveis, a Record poderia estar bem mais à frente do sbt né, dado o poderder de investimento de sua programação comparado ao sbt que tem um orçamento de baixo custo (praticamente ganha de dia pra comer à noite) e ainda assim fica à baixo por décimos.
  7. Quero meu Painel com as musas Lo Prete/Natuza. É pra quando?
  8. Pessoal é muito passional, antes de pensar sobre o tipo de conteúdo, tem de se pensar sobre a questão financeira dessas emissoras diante do futuro em frente as novas formas de consumo. As emissoras não podem ficar reféns de igrejas, e isso nem de longe é atitude sensata. Mudam as regras atualizando o setor pra trazer mais competitividade ou elas serão engolidas, não tem saída. Goste ou não.
  9. Folha: Governo prepara abertura das comunicações para estrangeiros O Ministério das Comunicações começará a discutir o fim das restrições ao capital estrangeiro na mídia. Hoje existe um limite de 30% de participação em emissoras de rádio, TV e veículos de comunicação impressos. O fim dessa barreira foi uma recomendação da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para ajudar o Brasil a ganhar pontos na disputa por uma vaga no grupo. Segundo técnicos do governo, será criado um grupo específico para estudar a melhor forma de promover essa abertura. Uma primeira proposta deve ser definida até o final deste trimestre. O governo quer se antecipar a uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que vem sendo articulada no Congresso por grupos empresariais interessados em atrair parceiros estrangeiros. As principais emissoras de rádio e TV convenceram o deputado Eli Corrêa Filho (DEM-SP) a apresentar uma PEC prevendo a ampliação do limite atual de 30% de capital estrangeiro na radiodifusão para, pelo menos, 49%. Versões de minutas da PEC circularam pelo Congresso. Em uma delas, havia o fim da restrição, mas a versão atual considera 49%, segundo representantes das emissoras. Para apresentar a PEC, o deputado precisa de 171 assinaturas de parlamentares. Para ser aprovada, é necessário passar por comissões e ser votada em dois turnos na Câmara e outros dois, no Senado. Corrêa Filho é presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Radiodifusão, que conta com 258 deputados. Devido à pandemia, no entanto, a frente prefere aguardar para evitar congestionamento na pauta das votações. A ideia é liberar as empresas para se capitalizarem buscando sócios. No entanto, somente emissoras de rádio e TV foram contempladas. Outros veículos de comunicação (jornais e revistas, por exemplo) ficaram de fora. As associações Abert, liderada pela Globo, e Abratel, por Record e SBT, defendem o projeto e trabalham pela aprovação da PEC. Nos bastidores, ainda se discute se haverá clima político para o fim da restrição, abrindo caminho para o controle de veículos de comunicação por grupos estrangeiros. Até mesmo as emissoras acham difícil que a abertura total tenha aval do governo e de sua base no Congresso. Por isso, defendem os 49%. Entre as dificuldades, está o fato de muitos congressistas também serem radiodifusores e não querem ver suas emissoras em mãos alheias. Por isso, preferem um aumento de participação em vez da venda do controle. Do ponto de vista político, líderes no Congresso não acham boa ideia abrir mão de um instrumento ainda poderoso de comunicação, especialmente no interior do país. O fim da restrição ao capital estrangeiro é uma das recomendações feitas pela comissão da OCDE que, em 2019, entrevistou representantes do governo brasileiro sobre comunicações. No relatório final, obtido pela Folha, a emissária da OCDE, Porciuncula Lorrayne, sugere a extinção do limite aos estrangeiros como forma de reforçar os grupos locais na guerra que se tornou a produção de conteúdo pela internet —particularmente a difusão de aplicativos de canais, que está pondo em xeque o modelo de grade de programação das emissoras e os pacotes de TV paga das operadoras de telefonia. No entanto, a emissária não recomenda o mesmo tratamento para empresas de internet nacionais, ou produtoras independentes, que divulgam seus conteúdos on-demand ou via streaming —e enfrentam os gigantes Google, Amazon e Apple. Para a elaboração do relatório, a equipe de Lorrayne entrevistou em 2019 executivos das empresas (tanto de radiodifusão quanto de telecomunicações) e representantes do governo. Pelo Ministério das Comunicações (então Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Telecomunicações) falou o então secretário Elifas Gurgel, general que comandou a Anatel durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff e estava lotado na Secretaria de Radiodifusão. Lorrayne acatou boa parte das sugestões apresentadas por Gurgel, como a criação de uma agência reguladora única, que congregasse a radiodifusão e as telecomunicações. Neste cenário, a chamada Agência Nacional de Comunicação deveria, segundo sugestão do relatório, reunir todas as licenças hoje expedidas pelos mais diversos órgãos da administração pública federal em uma única licença. O próprio ministro Fábio Faria (Comunicações) declarou ter intenção de criar uma agência única. Também ganha força em sua pasta a proposta de unificação das licenças. Mas, de acordo com os técnicos do ministério, ela só reuniria os serviços de telecomunicações (telefonia, TV paga e internet). Nem mesmo os técnicos do ministério avaliam ser possível implementar algo parecido no país. Isso porque a radiodifusão é um serviço regido pela Constituição e pelo Congresso Nacional, a quem cabe, em última instância, definir a concessão ou a cassação das outorgas. Além disso, existe uma questão de mercado. As emissoras investiram para fazer produção e transmissão de conteúdo pelo país e, com uma licença única, qualquer serviço poderia ser prestado, na avaliação desses técnicos. Um provedor de conteúdo, por exemplo, faria transmissão ao vivo, de acordo com esse conceito. Para as emissoras, não existe possibilidade de que esse modelo siga adiante porque ele significa o fim da radiodifusão. https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/01/governo-prepara-abertura-das-comunicacoes-para-estrangeiros.shtml#:~:text=Grupo do Ministério das Comunicações,empresas de mídia no país&text=O Ministério das Comunicações começará,e veículos de comunicação impressos.
  10. Com a mudança na lei, a Globo por exemplo pode não só ter sócios, comolançar seus papéis na bolsa. No que tange a Record na última nota que saiu sobre o caso, ela foi a única emissora a se colocar contra a proposta. Relembramos... https://www.uol.com.br/splash/colunas/mauricio-stycer/2020/07/31/globo-e-record-tambem-divergem-sobre-participacao-de-estrangeiros-na-midia.htm
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.