Jump to content
×
×
  • Create New...


Folha: Filhos de Bolsonaro saem das sombras e negociam no Congresso em nome do governo


Recommended Posts

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/03/filhos-de-bolsonaro-saem-das-sombras-e-negociam-no-congresso-em-nome-do-governo.shtml

 

A vitória de aliados de Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara e no Senado deu segurança para que os filhos do presidente deixassem as sombras do Congresso e voltassem a articular abertamente assuntos de interesse do Planalto.

 

Com a lista de prioridades do governo entregue aos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), os dois filhos de Bolsonaro eleitos para o Congresso, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), passaram a impulsionar, nos bastidores, a agenda do pai.

 

Para aliados do governo, a atuação deles não é um problema. “O deputado Eduardo Bolsonaro e senador Flávio têm juntos quase 7 milhões de votos é natural que tenham influência”, afirma o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO). Opositores, porém, temem que a interferência acelere a tramitação de propostas conservadoras.

 

No Senado, Flávio deixou para trás um período de atuação mais discreta, após o escândalo da rachadinha e a ofensiva da oposição para levar seu caso ao Conselho de Ética. O filho 01 do presidente vem se esforçando nas últimas semanas para enterrar a CPI da Covid-19 e busca fazer uma ponte entre Pacheco e o ministro Eduardo Pazuello (Saúde)

 

Senadores relataram à Folha que foram interpelados pelo filho 01 do presidente para retirarem seus nomes do requerimento da Comissão. O documento conta com 32 assinaturas, cinco a mais que o mínimo necessário, e a decisão de instalar cabe exclusivamente a Pacheco.

 

Lideranças também apontam que Flávio Bolsonaro foi um dos principais articuladores para a ida do ministro ao Senado. Pazuello ficou quase cinco horas respondendo a perguntas e sua participação era a principal aposta para, pelo menos, retardar a CPI.

 

Em outra frente, o senador vem atuando para construir uma ponte entre Pacheco e Pazuello. Há cerca de 10 dias, Flávio acompanhou o presidente do Senado em reunião no ministério para discutir uma proposta para solucionar o impasse que impedia o governo de comprar as vacinas da Pfizer.

 

O projeto de lei acabou redigido na noite daquele mesmo dia na residência oficial do Senado, por Pacheco, Flávio Bolsonaro e o líder da oposição Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Flávio e Randolfe passaram a noite ligando para outros parlamentares, negociando um texto que tivesse uma rápida tramitação.

 

Aliados de Pacheco minimizam o encontro, argumentando que o presidente do Senado procurou um líder da oposição e um governista para buscar um texto de consenso. Outros parlamentares, no entanto, ressaltam a influência política do filho do presidente.

 

“Ele está cumprindo as vezes de líder do presidente da República. Por exemplo, na elaboração do projeto de lei, ele claramente atuou representando o pai. Ficou patente isso, na intervenção dele desde o primeiro momento. De fato, ele tem sido mais protagonista”, afirmou Randolfe Rodrigues.

 

Lideranças do governo no Congresso e senadores aliados de Flávio Bolsonaro refutam a tese de que ele está mais atuante. Afirmam que sua atuação parlamentar está no mesmo nível desde o início de seu mandato, em fevereiro de 2019.

 

“O senador Flávio Bolsonaro sempre foi muito ativo, sempre ajudou o governo. Pouca gente sabe, mas ele é vice-líder do governo no Congresso, é um senador com excelente relacionamento com os demais, mesmo com a oposição. Então é natural que ele atue em defesa do governo”, afirmou o líder do governo Eduardo Gomes.

 

Procurado, Flávio Bolsonaro não quis se manifestar.

 

Enquanto Flávio tem uma atuação mais de bastidor, Eduardo Bolsonaro tem multiplicado as frentes para impulsionar a agenda do pai, em especial pautas econômicas e que dizem respeito a armas --com o uso particular de redes sociais.

 

O deputado tem defendido, em posts, as pautas do ministro Paulo Guedes (Economia), como a medida provisória que define regras para a privatização da Eletrobras e o projeto de lei que abre caminho para a venda dos Correios.

 

Ele também usa as redes sociais para apoiar a ampliação de porte e posse de armas. Em uma rede social, afirmou que “demonizar” a prática de tiro “é parte do plano ditatorial da esquerda: encher as leis de burocracias para não se ter um controle e sim uma restrição às armas.”

 

Eduardo Bolsonaro, opositor declarado ao ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também faz questão de exibir o bom relacionamento com Lira. Em 8 de fevereiro, postou uma foto de uma reunião que teve com o líder do centrão e na qual falaram sobre a reforma administrativa, que está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, e sobre a autonomia do Banco Central, que foi aprovada dois dias depois.

 

Nos bastidores, deputados afirmam que, com um aliado no comando da Câmara, Eduardo está mais solto.

 

Para a deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), a maior desenvoltura de Eduardo na Câmara tem relação direta com o apoio que o governo deu a Lira em sua eleição. “É evidente que não só Eduardo Bolsonaro, mas todos os bolsonaristas estavam se sentindo muito mais soltos”, afirma.

 

Melchionna diz que a prisão de Daniel Silveira ajudou a controlar a pressão em favor da aceleração de uma agenda conservadora na Câmara. “Mas de qualquer maneira a gente vê o Eduardo Bolsonaro voltando à sua forma original, tanto no Twitter, nas coisas que posta, quanto na articulação de pautas da extrema-direita que fazem muito mal ao país, ainda mais neste momento da pandemia.”

 

Eduardo Bolsonaro também protege aliados do pai. Fez postagens ao lado de Bia Kicis (PSL-DF), que deve presidir a CCJ após acordo com Lira, e foi um dos principais defensores do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), preso por ordem do ministro Alexandre de Moraes (Supremo Tribunal Federal) após publicar na internet um vídeo com ataques a ministros do Supremo.

 

Em rede social, Eduardo Bolsonaro disse que votaria a favor da derrubada da decisão do STF pela Câmara. “Em nome das garantias da imunidade parlamentar, liberdade de expressão, devido processo legal, ampla defesa e contraditório”, escreveu. Por 364 votos a 130, a prisão foi mantida.

 

Outra agenda que Eduardo Bolsonaro tenta impulsionar, a partir da Câmara, é a de relações exteriores. O filho 03 de Bolsonaro presidiu a comissão que trata do assunto.

 

Sob seu comando, o colegiado reproduziu diretrizes do Itamaraty, com críticas à Venezuela e ao então candidato à presidência americana Joe Biden --que derrotou o republicano Donald Trump e assumiu a Casa Branca.

 

Eduardo tenta emplacar no comando da comissão seu colega de partido, o deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP). No entanto, Lira teria feito um acordo para que Aécio Neves (PSDB-MG) assumisse a comissão. Procurado, Eduardo Bolsonaro também não quis se manifestar. 

 

 

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/03/filhos-de-bolsonaro-saem-das-sombras-e-negociam-no-congresso-em-nome-do-governo.shtml

 

Link to post
Share on other sites


Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.






Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.