Jump to content
×
×
  • Create New...


Aprovação a Bolsonaro sobe e é a melhor desde o início do mandato, diz Datafolha


Recommended Posts

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está com a melhor avaliação desde que começou o seu mandato.

Segundo o Datafolha, 37% dos brasileiros consideram seu governo ótimo ou bom, ante 32% que o achavam na pesquisa anterior, feita em 23 e 24 de junho.

 

Mais acentuada ainda foi a queda na curva da rejeição: caíram de 44% para 34% os que o consideravam ruim e péssimo no período. Consideram o governo regular, por sua vez, 27%, ante 23% em junho.

 

O instituto entrevistou por telefone 2.065 pessoas de 11 a 12 de agosto. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

 

A mudança do humor da população ocorreu concomitantemente à maior alteração na persona pública de Bolsonaro desde que ele saiu da obscuridade como parlamentar de baixo clero e chegou à Presidência no ano passado.

 

O presidente passou o primeiro semestre em um crescente embate institucional, que chegou ao paroxismo com sua participação em atos pedindo o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal.

 

Em junho, a crise amplificou-se, com rumores alimentados por notas oficiais acerca de intenção de uso das Forças Armadas e com críticas a decisões que contrariavam o Planalto no Judiciário.

 

Ao mesmo tempo, o presidente liderava o ataque direto às políticas de isolamento social da pandemia da Covid-19, que no começo classificara de "gripezinha".

 

Aos poucos, a tensão levou a especulações nos meios políticos sobre um eventual impeachment do presidente.

 

Isso o fez mudar de rumo no Congresso, aliando-se a partidos do centrão que antes espezinhava, dando cargos e verbas em troca de apoio.

Mas o ponto de inflexão é 18 de junho, quando é preso Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio, investigado no caso das "rachadinhas" e elo entre o gabinete do hoje senador e milícias no Rio de Janeiro.

 

Com a pesquisa de junho indicando estabilidade em sua avaliação, apesar de estrago visível do caso Queiroz, Bolsonaro submergiu. Moderou suas declarações contra adversários e parou de dar corda a apoiadores radicais que o esperam à porta do Palácio da Alvorada.

 

Antes desta rodada do Datafolha, a melhor pontuação do presidente havia sido 33% de ótimo e bom, taxa registrada em duas pesquisas.

Já a rejeição voltou ao patamar dos seis primeiros meses de mandato, em torno de 30%.

 

O empate entre aprovação e rejeição reverte, na fotografia desta pesquisa, a tendência de polarização assimétrica registrada nas anteriores durante a crise política.

 

O presidente também contraiu a Covid-19, o que não mudou sua propaganda de minimizar a doença.
Mas o programa de auxílio emergencial à população mais carente ganhou passo, e o governo amplificou a visibilidade de ações no reduto oposicionista do Nordeste.

O resultado parece visível.

Segundo o Datafolha, a rejeição a Bolsonaro caiu de 52% para 35% na região, na qual mantém a pior avaliação: 33% de ótimo e bom, subida de seis pontos em relação a junho.

A correlação com a distribuição do auxílio de R$ 600 é sugerida, ainda que não direta.

Entre quem fez o pedido e o recebeu, 42% acham Bolsonaro ótimo e bom, ligeiramente acima da média geral. Só que 36% dos que não fizeram também acham isso.

No Nordeste, onde vive 27% da população, 45% dos moradores recorreram ao instrumento, ante 40% no país todo.

 

Tão ou mais importante, Bolsonaro também melhorou seu desempenho no Sudeste, região mais populosa do país. Ali, sua aprovação subiu de 29% para 36%, enquanto a rejeição caiu de 47% para 39%.

 

Continua sendo mais bem avaliado nos redutos do Sul e Norte/Centro-Oeste, onde amealha 42% de ótimo e bom.

 

Uma das quedas mais significativas na rejeição ao presidente ocorreu entre os mais jovens (16 a 24 anos). Nesse grupo, o ruim e péssimo foi de 54% para 41%.

 

Grupos que rejeitavam mais Bolsonaro também viram quedas no índice, mas menor: pessoas com curso superior (53% para 47%) e mais ricos (acima de 10 salários mínimos mensais, 52% para 47%).

 

Já a aprovação presidencial segue o padrão anterior ao apontar homens e pessoas de 35 a 44 anos como as mais satisfeitas.

 

Há homogeneidade nova no quesito quando o tema é a renda familiar. Dos 4 estratos analisados pelo Datafolha, Bolsonaro tem 40% de ótimo e bom em 3, caindo cinco pontos entre os mais pobres (até 2 salários mínimos).

Ele segue sendo mais bem avaliado entre empresários (58%, ante 51%) e viu sua rejeição de 67% cair para 56%, ainda a recordista por segmentos, entre estudantes.

 

Com tudo isso, Bolsonaro deixou o posto de presidente mais mal avaliado desde a redemocratização nesta fotografia de momento do primeiro mandato.

 

A infame distinção volta a Fernando Collor, que tinha 41% de ruim e péssimo e 18% de ótimo e bom com um ano e seis meses de governo em 1991.

 

Bolsonaro, contudo, segue em segundo lugar na rejeição neste recorte de presidentes, mais mal avaliado do que Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT).

Ele também segue sendo considerado inconfiável pela população, ainda que tenha atenuado a má impressão.

Segundo o Datafolha, nunca confiam no presidente 41% dos brasileiros, enquanto 22% sempre confiam e 35%, confiam às vezes.

Em junho, esses índices estavam em 46%, 20% e 32%, respectivamente, segundo aferiu o Datafolha.
Bolsonaro inspira mais confiança entre homens, pessoas de 35 a 44 anos e quem ganha entre 5 e 10 salários mínimos.

Já desconfiam mais do presidente mulheres, jovens e quem tem o ensino superior.

 

No corte racial, o presidente é mais bem avaliado entre quem se declara branco ou amarelo (40%), oscilando para 37% entre pardos e caindo para 25% entre pretos.

 

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/08/aprovacao-a-bolsonaro-sobe-e-e-a-melhor-desde-o-inicio-do-mandato-diz-datafolha.shtml

Link to post
Share on other sites


  • Replies 65
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

É isso, gente. Com dinheiro entrando na conta, ninguém tá nem aí pra administração desastrosa e negacionista da pandemia, descaso com o meio ambiente e tantas outras pautas tão sérias.    Tr

Rejeição caiu 17% no Nordeste. 

nem me choca   o presidente é a cara do Brasil: atrasado, sem educação e cheio de preconceitos 

As pessoas se esqueçam rápido das coisas, a atuação dele durante a pandemia foi ridicula.

 

A tendência mais evidente é uma polarização, porque a rejeição dele ainda é bem alta (só perde pro Collor)

Link to post
Share on other sites

Desde a redemocratização e considerando o mesmo período de governo é o 3º melhor desempenho em ótimo/bom, só sendo superado pelo 2º mandato do Lula e o 1º da Dilma.

Edited by paulo!
Link to post
Share on other sites
2 minutos atrás, Avante disse:

As pessoas se esqueçam rápido das coisas, a atuação dele durante a pandemia foi ridicula.

 

A tendência mais evidente é uma polarização, porque a rejeição dele ainda é bem alta (só perde pro Collor)

Com esse auxílio emergencial, aqui poderia ter 1 milhão de mortes e o cenário para ele seria o mesmo. 

 

Link to post
Share on other sites

Mas gente, como pode... 100 mil pessoas mortas por causa dos desmandos desse homem que, durante uma pandemia, tem a pachorra de deixar o país sem um ministro da saúde. É absurdo demais assistir tudo isso. Me sinto como num assalto, vendo minhas coisas irem embora e eu totalmente impotente. :clo11:

Link to post
Share on other sites
13 minutos atrás, M.R disse:

Mas o programa de auxílio emergencial à população mais carente ganhou passo, e o governo amplificou a visibilidade de ações no reduto oposicionista do Nordeste.

O resultado parece visível.

Segundo o Datafolha, a rejeição a Bolsonaro caiu de 52% para 35% na região, na qual mantém a pior avaliação: 33% de ótimo e bom, subida de seis pontos em relação a junho.

A correlação com a distribuição do auxílio de R$ 600 é sugerida, ainda que não direta.

Entre quem fez o pedido e o recebeu, 42% acham Bolsonaro ótimo e bom, ligeiramente acima da média geral. Só que 36% dos que não fizeram também acham isso.

No Nordeste, onde vive 27% da população, 45% dos moradores recorreram ao instrumento, ante 40% no país todo.

Política é algo surreal mesmo: a aprovação do cara disparou, e um dos principais fatores, foi graças aos deputados e senadores que aprovaram o Auxílio, já que jamais partiria do presidente e de sua equipe econômica neoliberal essa distribuição de renda.

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.






Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.