Jump to content


Search the Community

Showing results for tags 'debate'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Entertainment
    • TV News
    • International TV
    • Series
    • On Air
    • A Fazenda 11
  • Geral
    • General Area
    • Music
    • Movies
    • Politics
  • Feedback
    • Compra de pontos
    • Site Questions
    • Announcements and Updates
    • Archive

Blogs

There are no results to display.

There are no results to display.


Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Localização


Interesses


Twitter


Last.fm


Spotify


Snapchat


Filmow


Banco de Séries


TVShow Time


Instagram

Found 15 results

  1. Não considero Malévola porque já é uma continuação e com objetivo diferente dos outros 3, enfim qual você gostou mais? Votem e se quiserem opinar, fiquem a vontade também.
  2. Quando A Lista de Schindler reestreia nos cinemas, é hora de refletir sobre a dificuldade de discordar da maioria. Em 1 de maio, um dos filmes mais famosos de Steven Spielberg retorna aos cinemas: A Lista de Schindler será exibido novamente, em cópia remasterizada, para comemorar vinte e cinco anos de lançamento. A oportunidade é ótima, não apenas para (re)descobrir a obra, mas também para diversificar o circuito dominado por blockbusters. Em dezembro de 1993, quando foi lançado, o drama sobre o genocídio de judeus durante a Segunda Guerra Mundial recebeu críticas quase unanimemente positivas, arrecadando uma bilheteria de mais de US$300 milhões (para apenas US$22 milhões de custos de produção) e vencendo sete Oscars, incluindo a estatueta de melhor filme. Desde então, tem sido considerado um clássico absoluto, a ponto de ganhar a rara oportunidade de reestrear nos cinemas. Os críticos contemporâneos assistiram à nova cópia, e as críticas atuais foram mais uma vez positivas: "Um marco para o cinema moderno", afirma o Papo de Cinema, ou ainda "um filme definitivo sobre o Holocausto", para o Cineplayers. Nenhuma voz dissonante ousou dizer que a produção seria, por exemplo, apenas boa, ou ainda pouco memorável. Isso significa que o clássico é inquestionável? O filme clássico não envelhece, não pode ser interpretado de outra maneira pelas gerações seguintes? Para entender a nossa relação com os clássicos, primeiro é preciso compreender de que maneira uma produção conquista esse rótulo. Cidadão Kane Como nasce um clássico? Não existe uma resposta única a essa questão. Seria simples dizer que o rótulo surge "naturalmente", em decorrência da qualidade do filme - um filme bom se tornaria automaticamente um clássico. Mas não há nada natural no valor de uma obra, que sempre depende do contexto em que é inserida. A percepção de qualidade é construída socialmente: uma produção pode ser considerada ruim em sua época, mas ser redescoberta e aclamada mas tarde. Além disso, todo espectador deve se lembrar de diversos títulos muito bons, e aclamados durante seu lançamento mas que, no entanto, não foram relembrados ou referenciados pelas gerações posteriores. Um consenso sobre a noção de clássico diz respeito ao tempo. Por mais que os críticos queiram dizer que uma estreia é um "clássico instantâneo", ou outras frases de efeito equivalente, o clássico só é percebido como tal algum tempo depois de sua criação - este valor está diretamente associado à permanência do filme (ou qualquer outra obra de arte) no imaginário popular. Além disso, um clássico não precisa ser necessariamente percebido como bom. Alguns filmes clássicos, se analisados com os padrões contemporâneos (vide o roteiro de Grease - Nos Tempos da Brilhantina), talvez fossem considerados fracos, mas parecem imunes a julgamentos posteriores. Isso porque já criaram laços afetivos com o público, já se tornaram referências, símbolos pop. O Nascimento de uma Nação, o clássico questionado Deste modo, o rótulo "clássico" carrega um peso importante sobre a obra. Ninguém assiste a O Exorcista pela primeira vez em 2019 do mesmo modo que assistiria a um novo filme de terror que acaba de entrar em cartaz, por exemplo. Isso significa que a nossa percepção é condicionada pelo peso cultural do filme. Ao mesmo tempo, a noção de clássico pode mudar: O Nascimento de uma Nação foi considerado um marco absoluto durante muitas décadas. Mas hoje, em função do distanciamento das novas gerações, diversos cinéfilos e espectadores minimizam a importância da obra em função de seu conteúdo racista (embora ainda reconheçam a importância da linguagem cinematográfica). Inversamente, diversas produções da Nouvelle Vague francesa foram rechaçadas pelos críticos da época, até os veículos Cahiers du Cinéma e Positif reconhecerem o seu valor e reivindicarem a importância dos filmes. Mesmo Steven Spielberg foi considerado durante muito tempo apenas um diretor de blockbusters - um termo pejorativo em diversos meios intelectuais -, até grupos pontuais de teóricos resgatarem seus filmes como um trabalho autoral. Em outras palavras, embora a noção de clássico esteja associada à permanência, ela pode ser atribuída a uma obra ou retirada da mesma com o passar das décadas. O Desprezo, clássico da Nouvelle Vague francesa Quem decide qual filme é clássico? Essa é uma questão fundamental. Se algum parente nosso disser que As Branquelas é um clássico absoluto do cinema, talvez a frase seja considerada apenas uma brincadeira. Se um crítico renomado disser a mesma coisa - por exemplo, o veterano Luiz Carlos Merten, do Estado de São Paulo -, muitas pessoas vão assistir às Branquelas de modo diferente. Isso significa que nem todos os discursos possuem o mesmo grau de influência. Esta constatação, justa ou não, serve para determinar qual filme é bom, qual filme é "clássico", qual filme é uma "obra-prima" ou qualquer outro termo do gênero. O teórico Pierre Bourdieu chamava os verdadeiros influenciadores de "instâncias legitimadoras do poder", numa constatação de que tendemos a valorizar mais a fala de uma pessoa do que de outra. O crítico não é o único legitimador da obra. Quando Martin Scorsese incluiu Regeneração(1915), de Raoul Walsh, na sua lista de preferidos de todos os tempos, as atenções se voltaram ao filme, pelo respeito que o círculo cinéfilo atribui ao diretor de Os Bons Companheiros. O Poderoso Chefão, o preferido de Obama Mas a influência vai além: Barack Obama afirmou em 2008 que seu filme predileto era O Poderoso Chefão, que obviamente já era considerado um clássico, mas foi valorizado pelas palavras do ex-presidente norte-americano - assim como o presidente se valoriza, reciprocamente, pela escolha de um filme renomado. Caso Obama respondesse que seu filme preferido é Gente Grande, muitas pessoas olhariam para o político de modo diferente. Hoje em dia as redes sociais estão tomadas por "influenciadores digitais", chamados antigamente de youtubers, e talvez este seja o cerne da questão: a influência do discurso de uma pessoa sobre seu público. As mídias podem quantificar esse alcance em número de seguidores, mas nem sempre o poder é medido em número de likes e inscrições. Se Fernanda Montenegro dissesse que o maior clássico do cinema brasileiro é Vidas Secas, por exemplo, seu ponto de vista provavelmente teria maior peso social entre os intelectuais do que aquele de jovens com canais no YouTube. La La Land - Cantando Estações e o caso das produções recentes Como discordar de um clássico? A pergunta vale não apenas para o cinema, mas para a dificuldade de discordar de uma unanimidade em geral. Nos tempos polarizados e anti-intelectuais em que vivemos, muitas argumentações se resolvem no grito, ou seja, na radicalização do argumento. Se algum crítico dissesse que A Lista de Schindler é um bom filme, porém com aspectos fracos em determinadas cenas, a frase se perderia no mar de opiniões das redes sociais. No entanto, se este mesmo crítico disser que se trata do "pior filme de todo os tempos", as atenções se voltariam a ele - para amar ou discordar, comentar ou dar "likes". Vivemos a época da argumentação clickbait. Isso vale para as produções mais recentes também. Depois de uma resposta esmagadoramente positiva ao lançamento de La La Land - Cantando Estações, começaram a surgir algumas raras vozes dissonantes. O jornal francês Télérama não se limitou a apontar algumas falhas, preferindo taxar o filme americano de "insuportável". Na estreia recente de Vingadores: Ultimato, quase todos os veículos brasileiros destacaram os valores da produção, até a Folha de São Paulo dizer que se tratava do "filme mais chato de 2019". Independentemente da qualidade da argumentação, o texto despertou para si uma atenção superior ao da maioria das críticas, por se distinguir da maioria. Aplicado ao clássico, o peso é ainda maior: não se discorda apenas do consenso, mas de um valor cultural adquirido ao longo das décadas. Isso significa que a obra "sobreviveu" aos possíveis ataques e ao esquecimento, tão comuns à grande maioria dos filmes, o que a tornaria especial. O clássico seria, por esta perspectiva, uma questão de mérito. De volta à Lista de Schindler Talvez por isso, quando o New York Times publicou uma das raras críticas negativas sobre A Lista de Schindler, ele não se contentou em dizer que era fraco, mas foi além, dizendo que se trata de um "parque temático disfarçado de dissertação de mestrado". A ira do crítico Luke Thompson se torna muito mais evidente do que a argumentação utilizada para desvalorizar o filme. No final, o valor deste texto é retórico: pouco importa o raciocínio fornecido para discordar do consenso. O simples fato de ter desviado da maioria chama a atenção e constitui um posicionamento em si. Para o espectador comum, que não possui o peso cultural de um crítico ou uma celebridade, a tarefa de ser ouvido é mais difícil. Muitas pessoas se calam diante da maioria. "Não vale apenas brigar", pensam, e talvez, de fato, não seja necessário convencer ninguém sobre uma opinião, seja ela igual ou diferente da média. O clássico, afinal, não é apenas um selo positivo, mas também um símbolo autoritário. Como toda autoridade, ele restringe liberdades - e difícil rejeitá-lo, pensar diferente, sem se sentir equivocado. Não é incomum que um espectador médio sinta que sua opinião está "errada", ou que ele "não entendeu o filme", quando a sua interpretação diverge da maioria. O clássico carrega um valor positivo, mas também uma arrogância decorrente de sua posição hierárquica privilegiada. O rótulo é mais complexo do que parece à primeira vista. http://www.adorocinema.com/noticias/filmes/noticia-147697/
  3. Sei que Cordel Encantado está sendo um sucesso para a Globo, vocês acham que com isso existe alguma esperança de Cama de Lacre, voltar na Globo? E para vocês, quais novelas ainda seriam reprisadas? - E quais não voltam mais?...
  4. Nada ainda das chamadas de Por Amor! Será se a Globo desistiu ? Hoje é dia 13, a semana agora é cheia de feriados, muitos viajam e vai ter poucos dias pra divulgação! E fora que a história de mãe e filha, será forte na próxima das 21!
  5. É a re-reprise mais velha da história da emissora se formos analisar... A faixa do Vale a Pena Ver de Novo, está muito bagunçada. Não existe mais aqueles critérios antigos da emissora para reprisar suas novelas. Tipo: novelas com mais de 10/12 anos não seriam mais reprisadas, já que Celebridade e Belíssima, quebraram essa regra
  6. Comentem e votem. Obrigado e boa noite.
  7. Pessoal, como ficou a programação da Globo RJ com os capítulos atrasados de Cordel, Malhação e Órfãos da Terra? Coloquei na emissora às 17h05 e já tava rolando Malhação. Alguém sabe dizer como ficou? Eles cortaram alguma coisa? Vão exibir os dois capítulos de cada novela?
  8. Gostaram da serie?
  9. A vezes, a programação da Record ficou parecido da Globo. Olha só como seria a minha versão da programação da Record: 06:00 - Praça no Ar (igual ao Bom Dia Praça) 08:00 - Fala Brasil (igual ao Bom Dia Brasil) 09:00 - Note e Anote¹ (igual ao Mais Você) 10:15 - E aí, Doutor¹ (igual ao Bem Estar) 10:50 - Hoje em Dia (igual ao Encontro com Fátima Bernardes) 12:00 - Balanço Geral (igual ao Praça TV 1) 12:50 - Debate Bola¹ (igual ao Globo Esporte) 13:20 - Record em Notícias¹ (igual ao Jornal Hoje) 14:00 - Tudo a Ver² (igual ao Vídeo Show) 15:00 - Cine Aventura³ (igual a Sessão da Tarde) 16:50 - Caminhos do Coração (igual ao Vale a Pena Ver de Novo) 17:55 - Rebelde (4) (igual a Malhação) 18:25 - Bela, a Feia (igual a novela das 6) 19:15 - Praça Record (igual ao Praça TV 2) 19:30 - A Terra Prometida (igual a novela das 7) 20:30 - Jornal da Record (igual ao Jornal Nacional) 21:20 - Jesus (igual a novela das 9) 22:20 - LINHA DE SHOWS 23:40 - Jornal da Record 2ª Edição² (igual ao Jornal da Globo) 00:15 - Programa do Porchat² (igual ao Conversa com Bial) ¹Esses programas tem que voltar ²Mesmo o Vídeo Show ter acabado, poderia voltar o Tudo a Ver ³Antigamente, o Cine Aventura era exibido nas tardes de segunda a sexta (4)A Record poderia reprisar a novela Rebelde (versão brasileira) para competir a Malhação
  10. A novela estréia nessa segunda (08) às 17h15 no SBT.
  11. Gente, será que é possível ou algum direito de imagem barra? Seria maravilhoso poder ver todas as edições na íntegra desde o início e rever inúmeros momentos icônicos, até mesmo mudando de opinião em relação a algum participantes, hitaria rios Se tiver alguém do Viva bisbilhotando aqui, já podem colocar no horário de 20h30, com reprise às 1h45, a liderança na tv paga vem amores
  12. E no final os guardiãs vão estar vivos a lá Vidas em Jogo. Muito estranho ele tirar os personagens que são o centro da historia que trata sobre 7 guardiães. Ainda mais que são atores renomados. E saiu uma notícia de que eles não terão funeral.
  13. É insuportável acompanhar uma novela inédita, em qualquer site de TV que você vá tem manchetes estampados futuros acontecimentos na maior naturalidade, você acaba sabendo de todo o rumo da trama mesmo sem procurar . Ontem entrei num site de noticias e já tinha varias matérias esfregando na minha cara os futuros acontecimentos de Órfãos da Terra. Como diria a Xulla "VOCES TEM QUE SER PRESOS, PRESOS!" Queria entender qual a graça disso? Porque no mundinho teen das séries existe todo um cuidado para não dar spoiler, ate mesmo da propria Netflix, enquanto nas novelas os sites e até a própria emissora fazem questão de esfregar na cara o que irá acontecer, tirando toda a graça?
  14. Leiam algumas das frases ditas por Odete Roitman, na novela Vale Tudo em 1988: - "É uma mistura de raças que não deu certo... gentinha marrom" – “Se eu encontrasse minha mãe vendendo sanduíche na praia, eu não viraria a cara para ela. Eu enterraria a cara inteira na areia. Minha mãe era uma jeca, mas não vendia sanduíche na praia.” – “Às vezes eu tenho a sensação que as pessoas não viajam, não aprendem, não vão à Paris. Aliás, não vão nem à Buenos Aires.” – “Eu gosto do Brasil. Acho lindo, uma beleza. Mas de longe, no cartão postal. Essa terra aqui não tem jeito. Esse povo daqui não vai pra frente, é preguiçoso. Só se fala em crise e ninguém trabalha?” – “A única solução para a violência é a pena de morte. Para ladrão e assaltante, cortar a mão em praça pública. E se cortasse a mão dessa gente, diminuiria o índice de violência nesse país. Não tenha dúvida.” – “Você acha que eu vou pegá-los no aeroporto? Eu acho a coisa mais jeca dar plantão em aeroporto. Eles até colocaram vidro para as pessoas não verem quem está chegando, mas mesmo assim as pessoas colocam o nariz no vidro, penduram criancinha pra dar ‘tchau’. Eu vou mandar o chofer.” – “E eu que pensei que alguma coisa tinha mudado nesse país. Foi só botar o pé aqui que você começa a sentir esse calor horroroso, uma gente horrível no caminho, gente feia esperando ônibus caquéticos no ponto.” – “Você reserva pra mim um desses hotéis limpinhos que tem aí? De preferência um que não tenha um bando de mendigos na porta tentando agarrar a gente. Avisa também na recepção do hotel que eu detesto ver um monte de brasileiros na porta do meu apartamento falando português. Quanto menos eu ouvir falando português, melhor.”
  15. Verdade seja dita, todos os formatos que o programa já teve, eram ruins. A grande sorte sempre foram os desenhos e o espaço que a emissora sempre deu para o público infantil. Mas sempre foi muito injusto ele ganhar da Eliana, Angélica, Xuxa e da própria TV Globinho, que esses sim, sempre buscavam conteúdos diferentes e de qualidade. Obviamente, estou me referindo apenas aos formatos que o programa já teve, excluindo assim, seus conteúdos terceirizados.


×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site, you agree to our Terms of Use.